31 janeiro 2008

Tiago Targino vai jogar no Manisaspor


O Vitória de Guimarães acordou esta quinta-feira, com os Turcos do Manisaspor, o empréstimo de Tiago Targino até final da temporada.
As negociações entre os dois clubes tiveram início na passada terça-feira, dia em que o avançado recebeu "luz verde" para viajar para a Turquia, mas só esta manhã ficaram definidos os últimos detalhes da transferência. O avançado, de 21 anos, prepara-se assim para iniciar a sua primeira experiência no futebol estrangeiro.

(Fonte: A Bola)

Explosão em Istambul causou 22 mortos e 115 feridos


Até ao momento, 22 pessoas morreram e 115 ficaram feridas numa explosão que ocorreu esta manhã numa fábrica clandestina de fogo de artifício, em Istambul.
O governador civil de Istambul, Müammer Guler, revelou que houve um incêndio de pequenas proporções no quarto andar do prédio minutos antes da explosão, e que oito dos mortos eram curiosos que observavam o incêndio.
O prédio de cinco andares, localizado em Davutpaşa, também albergava oficinas têxteis e desabou parcialmente em resultado da explosão. Construções vizinhas foram também danificadas.



29 janeiro 2008

A questão do véu islâmico



Começou o julgamento de um professor acusado de insultar Atatürk


O julgamento de um professor turco acusado de ter insultado o fundador da República Turca, Mustafa Kemal Atatürk, tem ontem início, apesar das pressões da União Europeia para que o Governo de Ancara reveja as suas leis a favor da liberdade de expressão.
O professor Attila Yayla enfrenta o tribunal por ter sugerido que os primeiros anos da república não foram tão progressistas como as instituições os definem.
O promotor público pede uma sentença de cinco anos de prisão efectiva para Attila Yayla, arguido num processo que volta a lançar a polémica dos limites da liberdade de opinião, um conceito-chave na União Europeia, à qual Ancara se pretende juntar como membro de pleno direito.
O professor Yayla é acusado de "insultar Atatürk" - o fundador da Turquia moderna - depois de ter indicado que, politicamente, os primeiros anos da República foram pouco progressivos politicamente, e de ter alertado para a hipótese de os Europeus se começarem a questionar acerca da omnipresença de fotografias e estátuas de Atatürk, à medida que o país se aproxima da UE.
O professor foi vilipendidado pela imprensa turca e suspenso do seu trabalho, na Universidade de Ancara. Yayla, conhecido pelo seu liberalismo, nega a acusação de insulto e alega que os académicos têm de ver garantida a liberdade de expressão, a fim de poderem levar a cabo as suas pesquisas.
Este julgamento acontece numa altura em que o Parlamento turco se prepara para debater um polémico artigo que restringe a liberdade de expressão e que tem sido utilizado para julgar escritores e intelectuais, incluindo o Prémio Nobel da Literatura Orhan Pamuk, que se pronunciou sobre o alegado genocídio arménio.

Fonte: Notícias da Turquia / Público)

28 janeiro 2008

Nove mortos em acidente ferroviário


Um acidente ferroviário matou ontem nove pessoas e provocou 30 feridos no oeste da Turquia, após vários vagões terem saído dos trilhos.
O comboio de cinco vagões pertencia à linha Pamukkale Ekspres, que faz a rota entre Istambul e Denizli. Transportava cerca de 430 passageiros, na maioria famílias.

O acidente aconteceu na província de Kütahya, no oeste da Turquia.

Turco Bahri Tanrıkulu também garantiu lugar em Pequim


O Turco Bahri Tanrıkulu confirmou o favoritismo no Campeonato Europeu de Taekwondo, disputado no fim-de-semana em Istambul, e garantiu presença nos Jogos Olímpicos de Pequim.

Vice-campeão em Atenas-2004 na categoria até 80kg, Tanrıkulu ficou com o ouro no Europeu, derrotando Rashad Ahmadov, do Azerbaijão, na final disputada no Sábado em Istambul.

Pedro Póvoa ganhou medalha de ouro em Istambul

Pedro Póvoa, atleta do Projecto Pequim 2008 (Nível 3) do Comité Olímpico de Portugal, tornou-se no 45.º atleta português qualificado para os Jogos Olímpicos, ao vencer no Sábado a Prova de Qualificação Olímpica de Taekwondo, na categoria de -58 kg, realizada em Istambul, Turquia.
É a primeira vez que Portugal vai disputar o Torneio Olímpico desta modalidade, que entrou no programa dos Jogos em Sydney, no ano 2000.
Esta era a última oportunidade de Pedro Póvoa se qualificar para Pequim, depois de em Novembro ter terminado em 5.º lugar no Pré-olímpico disputado em Novembro, onde já dera boas indicações de poder vir a conseguir o apuramento.
Com este resultado, Pedro Póvoa ascenderá a partir de Fevereiro ao Nível 2 do Projecto Pequim 2008 do C.O.P.
Na competição de Istambul, Pedro Póvoa venceu sucessivamente o Russo Seifula, actual campeão da Europa de - 54 kg, por 2-1, o Holandês Rafik, vice-campeão do mundo de - 62 kg, com ponto de ouro no quarto combate, após igualdade em pontos nos anteriores três, e o Espanhol António Ramos, campeão do Mundo de -58 kg, por 2-1.
Na final, venceu o Inglês Tayron, por 9-7, e subiu ao lugar mais alto do pódio, com o hino português a ouvir-se pela primeira vez num torneio europeu da modalidade.
Com esta qualificação, são agora nove as modalidades em que já está garantida a presença portuguesa nos Jogos de Pequim.

(Fonte: Comité Olímpico de Portugal)

27 janeiro 2008

Bush aprovou acordo de cooperação nuclear civil com a Turquia

O presidente norte-americano, George W. Bush, aprovou um acordo de venda de equipamento nuclear civil à Turquia e pediu a sua ratificação ao Congresso, informou a Casa Branca na quarta-feira.
Os congressistas deverão pronunciar-se sobre os documentos, que estabelecem um marco completo para a cooperação nuclear civil e permitem a transferência de equipamento (incluindo reactores) e tecnologia destinados à pesquisa nuclear e à produção de eletricidade, disse uma fonte do Governo.
Não se permite a venda de material, tecnologia, ou informação nuclear "sensível", declarou a fonte, referindo-se a um eventual desvio para fins militares. Tem vigência inicial de 15 anos, com posterior renovação automática por períodos de cinco anos, completou.
(Fonte: AFP)

Turquia prepara-se para levantar a proibição do véu islâmico nas universidades


O partido AKP (no Governo), de raiz islâmica, e um partido fundamental da oposição, MHP, chegaram a acordo para banir a proibição do véu islâmico nas universidades do país. O comunicado conjunto explica que o acordo foi atingido com base na avaliação em termos de direitos e liberdades.
O primeiro-ministro, Tayyip Erdoğan, precisou dos votos do MHP para alterar a constituição nesse sentido.
A elite secular do país - que inclui generais, juizes e reitores das universidades, encaram a proibição do véu islâmico como essencial para a separação do Estado e da religião.
O MHP é o partido de acção nacionalista, de direita, que saiu dos antigos Lobos Cinzentos. Depois de cinco anos de eclipse, conseguiu obter uma representação parlamentar nas eleições antecipadas de Julho de 2007, com 71 deputados.
O lobo, símbolo da ideologia do MHP, é também o símbolo nacional da Turquia sob presidência de Atartürk. Paradoxalmente, o Pai da Nação turca, Atartük, definiu e lançou as bases para a construção de um Estado moderno, instituindo o laicismo.

(Fonte: Euronews)

Pedro Póvoa está em Istambul a lutar por Pequim

Pedro Póvoa conquistou várias vitórias nacionais e obteve bons resultados internacionais no taekwondo, a única arte marcial com assento olímpico. É precisamente nos Jogos de Pequim que Pedro Póvoa pretende estar. Uma vez integrado no Projecto Olímpico (Nível 3), este fim-de-semana está em Istambul, a disputar a qualificação europeia para os Jogos, acessível aos três primeiros classificados.
Pedro Póvoa tem 27 anos e é natural de Massarelos, no Porto. Já foi campeão nacional uma dezena de vezes, em vários escalões e categorias de peso. A nível internacional esteve presente nos Campeonatos do Mundo de 2001 (Jeju, Coreia do Sul) e 2003 (Garmisch, Alemanha) e disputou a qualificação para Atenas'2004. Antes desta qualificação europeia disputou-se idêntica prova a nível mundial, também com bilhete para Pequim reservado aos três primeiros, e Pedro Póvoa foi quinto. Já conquistou uma medalha de ouro no Festival Mundial, em 2006, mas na altura competiu pela Coreia devido a um diferendo com a Federação portuguesa.

(Fonte: O Jogo)

26 janeiro 2008

Süreya Ayhan foi banida do atletismo


Süreya Ayhan foi suspensa para sempre pela Federação Turca de Atletismo, depois de ter acusado positivo, pela segunda vez em três anos, num controlo antidoping.
Yücel Kop, o seu marido e treinador, também foi suspenso, mas apenas por dois anos, por ter ficado provado que tinha conhecimento das infracções cometidas por Ayhan.
A Turca, de 29 anos, tornou-se uma verdadeira heroína nacional quando se sagrou campeã europeia dos 1.500 metros em 2002 e vice-campeã mundial no ano seguinte. Mas em 2004 teve os primeiros problemas, ao tentar entregar amostras de urina de outra pessoa num controlo antes dos Jogos Olímpicos de Atenas.Depois, acusou por duas vezes esteróides anabolisantes, mas sempre clamou a inocência e agora já prometeu recorrer da decisão, tanto na Turquia como para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).

(Fonte: Record)

25 janeiro 2008

Três mortos em operação policial contra alegada célula turca da Al Qaeda

Três pessoas, incluindo um polícia, morreram ontem durante uma vasta operação policial contra membros de uma presumível célula turca da Al Qaeda no sudeste da Turquia.
A brigada anti-terrorismo efectuou, às primeiras horas do dia de ontem, buscas em numerosos apartamentos na cidade de Gaziantep que alegadamente abrigariam pessoas suspeitas de pertencer à rede terrorista.
Um polícia das forças especiais e dois presumíveis militantes da Al Qaeda foram mortos durante trocas de tiros, registando-se ainda quatro feridos entre as autoridades.
A polícia deteve 18 suspeitos.
Uma presumível célula turca da Al Qaeda foi acusada da autoria dos atentados em Istambul em Novembro de 2003 contra duas sinagogas, o consulado britânico e o banco britânico HSBC, dos quais resultaram 63 mortos e centenas de feridos.
(Fonte: Diário Digital)

Selecção portuguesa de sub-19 voltou a vencer a Turquia


A Selecção Nacional de sub-19 venceu esta quarta-feira a sua congénere da Turquia, por 2-1, em partida de carácter amigável e disputada no Estádio Municipal de Cantanhede.
Portugal chegou rapidamente à vantagem por 2-0, com golos de Pizzi (seis minutos) e Helmut Calvete (16 minutos).
O conjunto orientado por Agostinho Oliveira controlou sempre o encontro, mas aos 85 minutos a Turquia reduziu distâncias com o golo de Tayfur Emre Yılmaz.


(Fonte: Mais Futebol)

23 janeiro 2008

Primeiro-ministro grego de visita à Turquia após 49 anos


O primeiro-ministro grego, Costas Caramanlis, iniciou hoje uma visita oficial à Turquia, a primeira de um chefe de Governo grego em 49 anos.
Caramanlis foi recebido à chegada ao aeroporto de Ancara pelo chefe da diplomacia turca, Ali Babacan, e seguiu de imediato para a sede do Governo, onde se reuniu com o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdoğan.
O encontro, seguido de conferência de imprensa, foi consagrado às relações bilaterais, pautadas por diversos diferendos, designadamente a questão de Chipre, dividido desde 1974.
Apesar das divergências políticas, os dois países melhoraram nos últimos anos as relações económicas, com as importações turcas da Grécia a duplicarem entre 2000 e 2006 e com a Grécia a tornar-se num dos principais investidores estrangeiros na Turquia, nomeadamente no sector bancário.
Em Novembro de 2007, os dois países inauguraram o primeiro gasoduto comum, uma obra que vai permitir diversificar o fornecimento de gás à Europa ocidental.
A visita oficial de Caramanlis retribui a visita que o primeiro-ministro turco fez a Atenas em Maio de 2004.

(Fonte: Diário Digital)

Selecção portuguesa de sub-19 venceu a Turquia por 3-0

A Selecção portuguesa de sub-19, a preparar a derradeira fase de qualificação para o Campeonato da Europa, venceu ontem, no complexo desportivo da Tocha, a sua congénere da Turquia por 3-0.
A equipa orientada por Agostinho Oliveira colocou-se em vantagem no marcador por intermédio do extremo do FC Porto Rabiola, aos 35 minutos, cabendo a André Carvalhas (Benfica) e Romeu Ribeiro (Desp. Aves) fechar as contas do marcador na segunda parte, aos 56 e 87 minutos, respectivamente.
Portugal e Turquia têm novo jogo agendado para esta quarta-feira, desta feita no Estádio Municipal de Cantanhede, a partir das 15 horas.
(Fonte: A Bola)

22 janeiro 2008

Turkish Airlines anuncia 11 novas rotas que incluem São Paulo

Depois de aumentar a sua malha aérea internacional em 2007, a Turkish Airlines (THY), anuncia uma nova expansão internacional em 2008, acrescentando 11 novos destinos. Sem divulgar ainda datas de início das operações e número de frequências, a THY informou que vai lançar voos directos para São Paulo (Brasil), Toronto (Canadá), Washington (EUA), Aleppo (Síria), Birmingham (Reino Unido), Lahore (Paquistão), Atyrau (Cazaquistão), Oran (Algéria), Lvov (Ucrânia), Ufa (Rússia) e Alexandria (Egito).
A companhia aérea nacional da Turquia foi fundada em 1933, tem a sua sede em Istambul e tem uma das frotas mais jovens da Europa: 100 aeronaves. Opera com serviços regulares para 107 destinos internacionais e 32 domésticos, voando para um total de 139 aeroportos na Europa, Ásia, África e Américas.

A THY tem também voos directos Istambul - Lisboa.

(Fonte: Notícias da Turquia / Mercado & Eventos)

Foi detectado vírus da gripe das aves no norte da Turquia

Vários casos de gripe das aves foram detectados em aves de uma aldeia do norte da Turquia, alertou o Ministério da Agricultura turco em comunicado.
A presença do vírus da gripe das aves foi detectada por laboratórios do Ministério em amostras retiradas Sábado de aves suspeitas na aldeia de Saz, na província de Zonguldak, na margem sul do Mar Negro.
Foram tomadas todas as medidas preventivas na aldeia e nas suas proximidades, acrescenta o comunicado, que não precisa se o vírus detectado é o H5N1, altamente patogénico e potencialmente mortal para o homem.
A gripe das aves matou quatro crianças em Janeiro de 2006 numa pequena aldeia do leste da Turquia antes de se espalhar por mais de um terço das 81 províncias turcas.
A Turquia é o primeiro país fora do leste e do sudeste da Ásia onde seres humanos sucumbiram ao H5N1, a estirpe mais letal da gripe das aves.
O Ministério da Agricultura anunciou em Abril de 2007 que a doença tinha sido erradicada do país.
Um foco da gripe das aves do tipo H5N1 foi descoberto Sábado na península ucraniana da Crimeia, no Mar Negro.

A gripe das aves matou mais de 200 pessoas em todo o mundo desde 2003.
(Fonte: Portugal Diário)

21 janeiro 2008

Acesso ao site "You Tube" voltou a ser bloqueado na Turquia

Um tribunal da Turquia determinou o bloqueio do site de vídeos YouTube por causa de vídeos que "insultam" Mustafa Kemal Atatürk, fundador da República da Turquia e considerado “pai dos turcos”. Esta é a segunda vez que a página é bloqueada no país, em menos de um ano, pelo mesmo motivo.
A proibição foi determinada no dia 17 de Janeiro. Quem tentar aceder ao site a partir da Turquia encontra mensagens em Turco e Inglês a informar a proibição.
Na Turquia, é ilegal insultar Atatürk, que liderou o movimento nacional do país e se tornou o primeiro presidente da República da Turquia, ocupando o cargo durante 15 anos, até à sua morte. Durante o seu governo, a população turca viu diversas mudanças políticas, económicas e culturais, muito avançadas para a época. Ainda hoje, 70 anos após sua morte, a sua foto ainda é pendurada nas paredes de diversos órgãos do governo, em diversas instituições públicas e privadas e até nas habitações.
Em Março do ano passado, a página foi bloqueada durante dois dias, depois de denúncias sobre a existência de vídeos que insultavam Atatürk. O site voltou a funcionar no país, depois do YouTube ter removido o conteúdo considerado ofensivo.
(Fonte: G1 /AP)
Ver também:

18 janeiro 2008

Vaga de frio polar faz 10 mortos


A maior parte do território da Turquia está a ser atingido por uma vaga de frio polar que já causou 10 mortos e deixou rios, canais e lagos congelados, duas mil povoações incomunicáveis e suspendeu o tráfego em várias estradas do país.
Na região leste, as temperaturas desceram até aos 35 graus negativos, tendo 10 pessoas morrido devido ao frio em diversas províncias nos últimos três dias.
Os rios Yeşilirmak e Kızılırmak, dois dos maiores da Turquia, bem como o lago Beyşehir, ficaram congelados devido às baixas temperaturas.
Cerca de duas mil povoações e aldeias ficaram incomunicáveis, devido ao corte de estradas.
O Departamento de Meteorologia da Turquia indicou que as baixas temperaturas continuarão até à próxima segunda-feira.

(Fonte: Diário Digital)

17 janeiro 2008

Turquia e a sua adesão à UE em destaque na Aliança das Civilizações

O primeiro Fórum da Aliança de Civilizações estreou-se na terça-feira em Madrid, quase quatro anos depois dos atentados de 11 de Março, que impulsionaram o presidente do Governo espanhol, José Luiz Rodrigues Zapatero a propor, juntamente com o seu homólogo turco, Tayyip Erdoğan, a criação da Aliança de Civilizações.
Zapatero e Erdogan acabaram por ser os protagonistas do encontro que terminou ontem.
O primeiro-ministro turco garantiu que, caso a Turquia não entre na União Europeia, haverá mais um obstáculo para a paz no mundo. Zapatero afirmou que não existe nenhum conflito de civilizações entre Ocidente e o mundo Islâmico, e acrescentou: "Queremos a Turquia na União Europeia, é uma das decisões de maior relevância para o futuro da Europa e para a estabilidade internacional".
Na cerimónia de abertura do fórum, Jorge Sampaio - Alto Representante das Nações Unidas para a Aliança de Civilizações - recordou o que motivara a criação da iniciativa em 2005 - uma necessidade de melhorar o entendimento e a cooperação entre nações e culturas que, garante, tem de ir além do debate intelectual, passando por soluções para temas tão polémicos como o ensino da religião nas escolas.
Nos dois dias do encontro organizaram-se diferentes encontros com políticos de 80 países, entre eles Portugal, que se fez representar pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Luis Amado.
(Fonte: DN)

Zapatero garante o apoio espanhol à adesão da Turquia à UE


O primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, garantiu na segunda-feira ao seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdoğan, que a Espanha "apóia e apoiará" à adesão da Turquia à União Européia (UE), destacando as boas perspectivas de trocas comerciais entre os dois países.

Em declaração conjunta aos jornalistas, sem direito a perguntas, Zapatero e Erdoğan revelaram-se confiantes no "êxito" da Aliança das Civilizações, iniciativa apadrinhada por Espanha e Turquia e liderada pelo ex-presidente português Jorge Sampaio.

O governante turco dedicou grande parte da sua intervenção ao tema do combate ao terrorismo, que considerou "um dos desafios mais importantes" da humanidade e a que só se pode responder "com a cooperação global". Neste quadro, Erdoğan defendeu as investidas do exército turco no norte do Iraque, contra o ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), ao mesmo tempo que rejeitou classificações mais favoráveis da força curda. "Não há terrorismo bom e terrorismo mau. Não pode haver. O terrorismo não pode ter desculpas nem justificações", afirmou.


(Fonte: Lusa)

Erdoğan: "Aliança das Civilizações é antídoto para o terrorismo"

Para o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdoğan, a Aliança de Civilizações, cujo primeiro fórum começou na segunda-feira em Madrid, deve servir de "antídoto para o terrorismo", segundo declarações suas numa conferência de imprensa conjunta com José Luis Rodríguez Zapatero.
"O processo da Aliança de Civilizações deve ser coroado de sucesso, e se o conseguirmos, de uma forma ou de outra, estou convencido que teremos encontrado o antídoto para o terrorismo", disse o chefe do Governo turco, acrescentando que o combate ao terrorismo deve ser feito em duas frentes: nacional e internacional.
Erdoğan e Zapatero, os dois ideólogos da Aliança de Civilizações, aproveitaram a véspera do evento para discutir o processo de adesão da Turquia à União Europeia. "A Espanha apoia e apoiará esta adesão", disse o líder do Governo socialista, depois do seu homólogo turco ter declarado aos jornalistas que pretende abordar a questão directamente com o chefe do Estado francês qe se opõe à adesão turca.
(Fonte: DN)

Primeiro-ministro turco e Orhan Pamuk na Aliança das Civilizações

O primeiro Fórum da Aliança das Civilizações, que promete ser um marco da discussão para fomentar o diálogo entre o mundo ocidental e o árabe-islâmico, começou na passada terça-feira em Madrid, com a presença de delegações de mais de 70 países.
O presidente espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, promotor da Aliança de Civilizações que a ONU assumiu em 2005, inaugurou o evento numa sessão com as participações do secretário geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, o alto representante da ONU para a Aliança das Civilizações, Jorge Sampaio, e o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdoğan, co-patrocinador da iniciativa.
O fórum conta com a participação de cerca de 400 pessoas, entre chefes de Estado e de Governo, ministros dos Negócios Estrangeiros, entre eles o Argentino Jorge Taiana e o Boliviano David Choquehuanca, líderes religiosos, políticos, empresários, jornalistas e representantes do mundo académico. Também marcaram presença os prémios Nobel de Literatura Wole Sovinka e Orhan Pamuk, o escritor Paulo Coelho, como Mensageiro da Paz da ONU, e o presidente da Câmara de Paris, Bertrand Delanoe, entre outros.
Zapatero apresentou o Plano Nacional para a Aliança de Civilizações, aprovado pelo Conselho de Ministros na sexta-feira. O plano traduz os objectivos concretos perseguidos pela aliança e "cobre quatro sectores: a juventude, a educação, os meios de comunicação e as migrações". Além disso, inclui o estabelecimento do prémio anual da "capitalidade intercultural" e a criação de um corpo de voluntários da Aliança de Civilizações. O projecto foi desenvolvido pelos governos da Espanha e da Turquia em 2005, e recebeu o apoio formal das Nações Unidas através do então Secretário Geral, Kofi Annan.
(Fonte: ANSA)

Primeiro-ministro turco acredita que a entrada da Turquia na UE aproximará o Oriente e o Ocidente

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdoğan, afirmou que a integração do mundo islâmico na União Europeia (UE), através da adesão da Turquia, aproximará o Oriente e o Ocidente, e permitirá avançar na agenda multilateral para garantir a paz e a estabilidade nos países da região.
O primeiro-ministro turco pediu o fim dos preconceitos existentes quanto à incorporação da Turquia à UE. Erdoğan pediu a Bruxelas que lhe explique as razões "científicas" que impedem a adesão da Turquia ao bloco, já que, na sua opinião, há países, como o Chipre, que não cumprem os requisitos mínimos e já foram admitidos. Neste sentido, afirmou que em Maio se reunirá na Alemanha com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, com o objetivo de abordar as diferenças que mantêm em relação à entrada turca no bloco.
Em relação à possível integração da Turquia numa "união euro-mediterrânea", Erdoğan afirmou que este procjeto ainda "não tem bases", e que não é "justo" que essa possibilidade seja colocada como uma alternativa à adesão à UE.
(Fonte: EFE )

Erdoğan afirma que as operações contra o PKK podem demorar mais do que o previsto

O Governo turco poderá pedir uma extensão do mandato parlamentar que autoriza o ataque a posições dos rebeldes curdos do PKK no norte do Iraque, quando a actual permissão expirar, em Outubro, afirmou, na passada segunda-feira, o primeiro-ministro Tayyip Erdoğan.
As forças armadas turcas começaram a bombardear alvos do ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), no norte do Iraque, depois do Parlamento de Ancara ter aprovado a resolução de 17 de Outubro que deu luz verde às operações durante um período de 12 meses. "Espero que a nossa luta contra o terrorismo acabe depressa, mas não posso dizer quando é que vai acabar", afirmou Erdoğan a diversos homens de negócios, em Madrid, onde participa no Fórum Aliança das Civilizações, que tem como objectivo fortalecer as ligações entre o Ocidente e o Islão. "Se não acabar, pediremos ao Parlamento que nos autorize a continuar", afirmou Erdoğan.
A Turquia advoga o seu direito, ao abrigo da lei internacional, de levar a cabo operações para lá da fronteira, e tem recebido relatórios dos serviços secretos dos EUA, aliado na NATO, que indicam onde estão os alvos do PKK. Os comandos turcos têm, até agora, lançado ataques localizados no interior do território iraquiano e os comandantes descartam a hipótese de um ataque em larga escala, apesar da presença de cerca de 100 000 homens ao longo da fronteira. Ancara acusa o PKK da morte de perto de 40 mil pessoas desde 1984, quando começou a sua luta pela independência no sudeste da Turquia.
Os Estados Unidos e a União Europeia classificam o PKK como uma organização terrorista.
(Fonte: Reuters / Público)

Presidente turco assegura que ofensiva contra o PKK continuará até à sua destruição


O presidente turco, Abdullah Gül, reiterou que as operações militares do seu país contra os rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) no norte do Iraque, continuarão até à destruição desse grupo.
Em entrevista publicada na passada segunda-feira no jornal árabe internacional "Al-Hayat", Gül assegurou que as ofensivas turcas contra o PKK dentro do território iraquiano contam com o sinal verde dos Estados Unidos. "O nosso principal objectivo é a organização terrorista [PKK]. Não temos outros planos, porque nos interessa ver um Iraque estável e seguro", disse Gül na entrevista que concedeu em Washington na semana passada.
Gül chegou nesse mesmo dia ao Cairo em visita oficial, para se reunir no dia seguinte com o presidente egípcio, Hosni Mubarak.
"Cruzamos a fronteira porque há uma organização terrorista que entra no nosso território para realizar massacres e acções brutais", acrescentou. "Não pretendemos invadir o Iraque, estamos a ajudar esse país. Se quiséssemos prejudicá-lo, teríamos imposto um boicote económico", disse o presidente turco.
Sobre o conflito entre Israelitas e Palestinianos, o presidente turco pediu ao presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, que impulsione a criação de um Estado palestiniano que possa coexistir em paz com Israel, e apelou à comunidade internacional para que se some a esses esforços.
Gül também rejeitou a ideia de isolar a Síria, e argumentou que Damasco é o actor principal para se conseguir a paz na região.

(Fonte: EFE)

16 janeiro 2008

Artilharia turca voltou a bombardear bases do PKK no norte do Iraque

A artilharia turca bombardeou hoje várias áreas no norte do Iraque, no âmbito das operações militares contra o ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), noticiou a agência de notícias pró-curda Firat.
Segundo a mesma fonte, os bombardeamentos ocorreram de madrugada sobre a região de Nihele.
Após os disparos de artilharia, a agência curda, citando fontes da organização armada, afirmou que aviões turcos sobrevoaram a região.
A Turquia ainda não confirmou a operação militar ou informou sobre possíveis vítimas, embora a Firat tenha assegurado que várias povoações foram evacuadas.
Na terça-feira, 16 aviões de combate turcos bombardearam as bases do PKK em Hakurk, Avasin e Zap, também no norte iraquiano.
Ancara acusa as autoridades curdas iraquianas de não actuarem contra a presença do PKK no norte. O grupo rebelde tem as respectivas bases no montanhoso território iraquiano fronteiriço com a Turquia.
(Fonte: Diário Digital)

Cadeia de lojas Zara tem concorrência na aldeia de Zara


Zara é para a maior parte dos europeus o nome da cadeia de lojas de roupa do empresário espanhol Amancio Ortega, mas poucos sabem que é também nome de aldeia da província de Sivas, na Turquia. Uma coincidência que está a gerar grande polémica. É que a cadeia espanhola tem em marcha uma luta em defesa da sua marca naquele país, onde não faltam empresas e estabelecimentos com o nome Zara.
Segundo a edição on-line do El-Mundo, os advogados de Amancio Ortega já interpuseram vários processos administrativos "em defesa da marca" e estão dispostos a ir mais longe para defender a propriedade do nome perante o registo turco.
O presidente da Câmara de Comércio e Indústria da província de Sivas, Osman Yildirim, desdobra-se em argumentos para justificar o facto de ter chamado Zara à fábrica de lentes de contacto de que é sócio, quando a razão é tão simples: "Tanto o meu sócio como eu somos de Zara, por isso, quisemos chamar à empresa Zara Lens". Esse é também o motivo que justifica o nome de muitos outros estabelecimentos na Turquia, cujos proprietários são oriundos daquela localidade.
Face à imparável actividade dos advogados da cadeia espanhola de lojas Zara, a empresa do presidente da Câmara de Comérico e Indústria de Sivas já teve de mudar de nome duas vezes. "Mudamos o nome para ZarAccom e abriram-nos outro processo, que perdemos. Agora usamos o nome Zar&Accomm. Veremos o que se vai passar", afirma o sócio da primeira fábrica de lentes de contacto de Sivas.

(Fonte: DN)

14 janeiro 2008

A situação dos alevitas na Turquia


Os alevitas observam, desde o dia 10 de Janeiro, o primeiro dia do mês de Muharrem, o jejum de Muharrem, que se prolonga durante 12 dias até ao dia do Aşure (Aşure Günü).
O Muharrem é o jejum praticado pelos alevitas nos primeiros 12 dias do mês de Muharrem, ou 20 dias depois do Festival do Sacrifício (Kurban Bayramı). Durante esse período os alevitas praticam o jejum do nascer ao pôr do sol e também não bebem água e não consomem carne. Evitam também qualquer tipo de prazer ou conforto e não utilizam facas, a arma utilizada no massacre de Hüseyin. Este sacrifício destina-se a lembrar o martírio do filho de Ali (primo e genro de Maomé), o Imam Hüseyin, durante a Batalha de Kerbala.

Há mais de um mês que se fala da realização de um iftar de Muharrem (jantar de quebra de jejum) em honra do mês sagrado dos alevitas. Trata-se de uma iniciativa do Governo, a primeira do género na Turquia, com o objectivo de reunir o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdoğan, vários líderes espirituais alevitas, muitos deputados do Parlamento e diversos representantes dos alevitas, no dia 11 de Janeiro, à semelhança do que costuma ser feito no mês do Ramadão para os muçulmanos sunitas. No entanto, esta atitude tem merecido algumas críticas por parte dos principais representantes dos alevitas. O jantar acabou por acontecer conforme o previsto, com a presença de cerca de 900 pessoas num hotel de Ancara e com o primeiro-ministro Erdoğan a praticar todos os rituais alevitas durante o encontro. A ementa foi especial e obedeceu a todos os preceitos alevitas, nomeadamente a não ingestão de carne e de água e a não utilização de facas.


As críticas alevitas têm a ver com o facto de considerarem a atitude do Governo como uma manobra para captar mais simpatias e votos junto dos alevitas, e não uma vontade sincera de aproximação. Ouviram-se críticas do género: "O primeiro-ministro [Recep Tayyip Erdoğan] nem sequer sabe o que é o Alevismo [...] e nem sequer reconhece as nossas casas de culto [cemevi]. Temos primeiro de ver as reformas e só depois os espectáculos".
Dois deputados do partido de Erdoğan (AKP) de origem alevita, Reha Çamuroğlu e İbrahim Yiğit, entregaram a Erdoğan um pacote de reformas relacionado com o estatuto dos alevitas, cuja população é estimada em cerca de 12 a 20 milhões na Turquia, país onde têm a sua maior expressão. No entanto, a comunidade alevita não acredita que os deputados alevitas do AKP sejam representativos da comunidade alevita.
Embora os alevitas se dividam quanto à classificação da sua fé, uma vez que uns a consideram como parte do Islão e outros a consideram distinta, todos pensam que Çamuroğlu não representa os alevitas, que têm sido discriminados desde o Império Otomano e são conhecidos pelo seu posicionamento secularista desde a fundação da República.
"O facto da fé alevita ser ou não integrada no Islão é irrelevante para a discussão. Todas as organizações alevitas consideram que as cemevi são as casas de culto dos alevitas", disse Turan Eser, presidente da Federação Alevita-Bektaşi (ABF), com sede em Ancara e que representa 148 associações alevitas de todo o país.
Mesmo um líder alevita pró-AKP, Fermani Altun, presidente da Fundação Ahlul Bayt com sede em Istambul, e que é próximo da interpretação sunita do Islão, expressou descontentamento sobre a forma como a aproximação tem sido apresentada. "Çamuroğlu é um deputado de Istambul e nunca pôs um pé na nossa organização. Ele não tem os alevitas em consideração," referiu Altun. Também acrescenta que o Governo não anunciou qualquer plano e que esse facto foi confirmado na reunião que teve a 28 de Novembro com o vice-primeiro-ministro Cemil Çiçek, altura em que este lhe terá dito não saber de nenhum plano para solucionar os problemas dos alevitas. "Se o Governo tem um projecto para atender aos pedidos dos alevitas, apoia-lo-emos incondicionalmente, mas o Governo não tem respondido a nenhum dos nossos pedidos nos últimos cinco anos. Pedimos reuniões por várias vezes sem qualquer resultado," acrescentou.
Outro defensor do projecto de reformas, "se existe alguma," é o Professor İzzettin Doğan, presidente da Fundação Cem, com sede em Istambul, que defende um entendimento entre os alevitas e o Islão. Doğan diz que os alevitas foram "surpreendidos" porque não estavam à espera de tal aproximação por parte do Governo, que tem "recusado" trabalhar com as organizações alevitas não-governamentais até agora. Acrescenta que é compreensível que o Governo trabalhe com o seu deputado, Çamuroğlu, que é "um alevita, apesar de tudo." "Do meu ponto de vista, o Governo quer encontrar uma solução para este problema tão antigo. A intenção é positiva. Todos podem cometer erros. Se se arrependem dos seus erros, temos de dar-lhes uma oportunidade", disse.


No entender de Cemal Şener, um intelectual alevita e autor de muitos livros sobre a história dos alevitas e sobre o Alevismo, a relutância da comunidade alevita relativamente ao AKP é compreensível. "Eles [AKP] nunca fizeram nada de positivo em prol dos alevitas. A população alevita está muito preocupada com a posição do Governo relativamente ao secularismo. Estamos preocupados com o encerramento dos refeitórios nas instituições públicas durante o Ramadão. Queremos ter garantias relativamente à protecção da República secular", disse Şener. Também se referiu às recentes declarações do deputado do AKP Mustafa Özbayrak, que se opôs à proposta de distribuição de uma verba do orçamento do Directorado dos Asuntos Religiosos para os alevitas. No início de Novembro, no Parlamento, Özbayrak disse que os alevitas são um ramo dos xiitas, uma minoria do Islão, e perguntou o que aconteceria se outros grupos, como os satanistas, pedissem também uma verba. "Os alevitas estão cansados de preconceitos", disse Şener. "Temos de ver o que é que o Governo faz na prática. Não gostamos que a nossa fé seja utilizada como um jogo nas mãos de pessoas insensíveis. Veremos se eles são sinceros".
O vice-presidente da Fundação Gazi Cemevi, Munzur Ardoğan, lembrou as palavras de Tayyar Taş, presidente do Directorado dos Assuntos Religiosos, que ofendeu os alevitas quando disse em 2002 que as cemevis são cümbüşevi, um local de entretenimento, em vez de um local de culto.

Cemevi

O culto alevita consiste basicamente em reuniões (cem) de homens e mulheres, que têm lugar nas cemevi. Na Anatólia as reuniões realizam-se tradicionalmente à quinta-feira à noite e são conduzidas por um dede, o guia espiritual da comunidade, que tem uma ligação directa de sangue à família do profeta Maomé.

Os alevitas queixam-se do que têm de enfrentar na sua vida diária devido à percepção distorcida que a maior parte dos sunitas têm em relação a si. Existe a ideia de que durante as celebrações os alevitas desligam as luzes e praticam incesto e adultério.
Durante o Ramadão é feito o anúncio diário nas várias televisões turcas, nomeadamente públicas, da hora do iftar (refeição do quebrar do jejum), algo que não é feito para o jejum do Muharrem. Os alevitas reclamam também a pouca informação que é dada à população em geral sobre os alevitas e o Alevismo, o que contribui para a distorção da realidade e para a incompreensão da sua fé.

Um dos deputados alevitas pelo AKP, İbrahim Yiğit, refere que o jantar conjunto entre elementos do Governo e os representantes alevitas é só o começo de "um projecto social de paz com os alevitas", acrescentando que "os alevitas precisam de expressar a sua identidade livremente e sem relutância". Çamuroğlu mencionou um pacote de reformas a Erdoğan, que está "bastante receptivo" a uma aproximação, disse Yiğit, acrescentando que Erdoğan quer que Çamuroğlu seja o seu conselheiro sobre o assunto. "O primeiro-ministro prometeu reconhecer o estatuto legal das cemevi ", disse também Yiğit. "O pacote de reformas só tomará forma depois das discussões com os líderes das organizações alevitas e com intelectuais alevitas, incluindo Rıza Zelyut e Cemal Şener", disse, enfatizando que os alevitas serão consultados.
Mais do que um reconhecimento oficial das cemevis como casas de culto alevita, os alevitas pedem verbas proporcionais ao Governo.


Culto no interior de uma cemevi.
Segundo o Professor Doğan, presidente da Fundação Cem, existem cerca de 4,000 casos pendentes no Tribunal Europeu de Direitos Humanos relativamente a cidadãos alevitas turcos que pagam impostos mas não recebem serviços religiosos por parte do Governo. "Os casos estão prestes a ser encerrados e parece que a Turquia vai ser penalizada se não tiverem sido tomadas as medidas necessárias", disse.
Os alevitas também pedem a abolição do Directorado de Assuntos Religiosos por ser contrário à identidade secular do Estado. Em vez dessa instituição, dizem que os assuntos religiosos devem ser autónomos e devem receber a sua parte do orçamento geral. "A nossa proposta de receber uma parte do orçamento geral foi rejeitada em 21 de Novembro no Parlamento, mas vamos continuar a pressionar ", disse Turan Eser, presidente da Federação Alevita-Bektaşi.
Outra associação alevita com 48 filiais em toda a Turquia, a Associação Cultural Pir Sultan Abdal, apresentou uma petição ao primeiro-ministro em 2004 com 600,000 assinaturas. "Mesmo se o Directorado dos Assuntos Religiosos se mantiver, gostaríamos de ter uma parte do orçamento geral, mas o Governo deverá ser capaz de investigar para onde vai o dinheiro", disse Kazım Genç, presidente da associação. Referindo-se às notícias de que cerca de 3,000 líderes espirituais alevitas receberão salário do Governo, Genç disse que um dede não pode receber um salário pela sua identidade alevita. "As comunidades alevitas suportam os seus dede. Eles não são assalariados", disse Genç.
Outro pedido tem a ver com as aulas de religião nas escolas. Os pais dos estudantes alevitas e os próprios estudantes queixam-se de que o Alevismo ou é totalmente ignorado, ou é descrito como algo imoral e como uma religião não-muçulmana pelos professores. Os grupos alevitas querem a inclusão do Alevismo nas aulas de religião.
Recentemente, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos deu razão a um pai alevita turco e disse que a inclusão no currículo de compulsão religiosa viola a Convenção de Direitos Humanos.
Os preconceitos podem ser uma das razões para que um grande número de alevitas comece a publicitar a sua fé e cultura através de publicações, na televisão e na rádio e formando diversas organizações. Os alevitas possuem neste momento, nomeadamente, canais de televisão e de rádio específicos.
As gerações mais antigas parecem sentir a dor e as feridas dos massacres mais profundamente do que as gerações mais novas. No entanto, esses ressentimentos passam para as gerações mais novas e continuam bem presentes. "As feridas do evento de 1993 em Sivas e de 1995 em Gaziosmanpaşa ainda estão bem presentes", refere um cidadão alevita de 45 anos. Refere-se aos maiores incidentes que envolveream alevitas nos últimos anos. Em Sivas morreram 37 alevitas carbonizados dentro de um hotel. O fogo terá sido posto por fanáticos que não gostaram que uma associação alevita tivesse convidado o escritor Aziz Nesin para uma conferência no hotel. Os alevitas sentem que o Governo não agiu convenientemente na punição de todos os responsáveis. O outro incidente foi em Março de 1995, quando alguém disparou num café frequentado por alevitas, em Istambul. Dois homens morreram, incluindo um líder espiritual alevita. Muitos alevitas residentes nas imediações protestaram, porque sentiram que a polícia não foi totalmente séria na investigação. Sucederam-se mais manifestações em Istambul, e mais de 15 pessoas desarmadas, a maioria alevitas, perderam a vida.
"Temos de deixar para trás os massacres e olhar para o futuro. Hoje toda a gente pode dizer que é alevita", disse outro cidadão alevita de 27 anos. Assim como todos os outros alevitas cépticos, ele também enfatiza as acções mais do que as palavras. "As organizações alevitas precisam de mais jovens em todos os níveis", disse.
Fermani Altun, presidente da Fundação Ahlul Bayt, por outro lado, diz: "Os alevitas têm sido reprimidos há muitos anos. Precisam de uma mão amiga. Precisam de um abraço. O primeiro-ministro precisa de falar com cada organização alevita pelo menos durante 10 minutos".
Existem boatos de que o primeiro-ministro Erdoğan está a considerar visitar uma cemevi. De acordo com a crença alevita, uma pessoa que não esteja reconciliada com outra não pode participar numa reunião de culto. A acontecer, esse acto poderá ser de importância histórica para a paz entre os alevitas e o Estado turco.

Sobre o Alevismo, ao som de uma música alevita:




Sobre o massacre de 1993:

13 janeiro 2008

Erdoğan declarou que o seu objectivo principal é a adesão da Turquia à UE

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdoğan, revelou na passada quinta-feira um plano para que o seu Governo estabeleça como objectivo principal a transformação da Turquia num membro de pleno direito da União Europeia (UE).
O plano de acção de quatro anos proposto por Erdoğan prevê 145 objectivos dispostos em 10 epígrafes, o primeiro dos quais, "Democracia e o Estado de Direito", compreenderá a elaboração de uma nova Constituição. "Não é verdade que o processo de reformas tenha arrefecido. Completaremos todos os esforços de harmonização", disse o chefe do Governo. Erdoğan ressaltou que o novo presidente, Abdullah Gül, deu um sólido apoio aos esforços do Governo turco de se unir ao bloco, contrariamente à política de seu antecessor no cargo, Ahmet Necdet Sezer. Também afirmou desconhecer a data de um encontro previsto na Alemanha entre este país, França e Turquia para tratar das relações de Ancara com a UE.
(Fonte: EFE)

10 janeiro 2008

Turquia vai abrir representação diplomática em Angola

A República da Turquia vai abrir, ainda este ano, uma embaixada em Angola, revelou ontem, em Luanda, o vice-sub-secretário dos Negócios Estrangeiros do país, Raffet Akgünay, à saída de uma audiência que lhe foi concedida pelo primeiro-ministro, Fernando da Piedade Dias dos Santos. O diplomata disse que a decisão de abrir a embaixada havia sido já dada a conhecer às autoridades angolanas pelo primeiro-ministro turco aquando da cimeira euro-africana. “Esta decisão foi formalizada há uma semana, pelo que se passará para a sua execução”, disse. No encontro, de cerca de uma hora, além da questão da abertura da embaixada, foi também abordado o reforço das relações bilaterais entre os dois países. Quanto aos sectores em que se vai centralizar a cooperação, apontou o económico e o comercial, “que são muito importantes”. “As economias de Angola e da Turquia podem ser complementares. Nós podemos trabalhar em conjunto em muitos sectores, nomeadamente na construção civil e na agricultura, mas logicamente que a cooperação não se limitará a estas áreas”, disse. "A Turquia criou uma agência internacional de cooperação. Neste âmbito poderá cooperar nos sectores da saúde, educação e outros", referiu. Raffety Akgünay adiantou que o desenvolvimento destes sectores requer um quadro de cooperação, no qual os dois Estados estão já a trabalhar. Referindo que, nos últimos anos, o seu país tem estado bastante activo no continente africano, o diplomata sublinhou que Angola e a Turquia “são potencialmente muito fortes”. Além de cooperar com Angola, a Turquia será também um doador para o país, prometeu. “Nos últimos anos, a Turquia tornou-se num importante país doador. Nesta perspectiva, também estamos a analisar com Angola as possibilidades de participação da Turquia como doador”, declarou.
(Fonte: Jornal de Angola)

09 janeiro 2008

O polémico artigo do Código Penal turco que limita a liberdade de expressão poderá ser alterado

O Governo turco vai propor alterações ao artigo 301 do Código Penal turco que considera crime qualquer insulto à “identidade turca” e já foi usado para perseguir vários jornalistas e escritores, incluindo o Nobel da Literatura Orhan Pamuk.
Esta lei tem sido um dos maiores entraves nas negociações entre a União Europeia e a Turquia. “A alteração do artigo 301 vai ser apresentada ao Parlamento esta semana”, disse o ministro da Justiça Ali Şahin, em conferência de imprensa.
Ainda não há pormenores quanto às alterações específicas da lei, mas sabe-se que a revisão deste artigo tornará crime “insultar o povo turco”, substituindo o vago termo “identidade turca”. Além disso, passa a ser obrigatório que o ministro da Justiça autorize a invocação do artigo 301, de forma a prevenir que os procuradores do Ministério Público usem a lei como instrumento político.
Apesar do apoio do Governo e da maioria parlamentar, a alteração à lei tem sido atrasada por receio da reacção dos nacionalistas. Apesar da discussão que tem gerado, a lei é maioritariamente apoiada pela população. Os Turcos que apoiam a adesão à União Europeia esperam que a alteração ao artigo 301 ajude nas negociações.
(Fonte: Reuters)

08 janeiro 2008

Irão suspendeu o fornecimento de gás natural à Turquia

O Irão suspendeu completamente o fornecimento de gás natural à Turquia, mas as reservas acumuladas nos últimos meses permitem a continuidade da distribuição, comunicaram os dirigentes da companhia turca encarregue dos recursos energéticos.
O ministro da Energia e Recursos Naturais, Hilmi Güler, anunciou Domingo um corte no fornecimento do Irão e da Ucrânia nos últimos 10 dias.
A Turquia importa do Irão cerca de 29 milhões de metros cúbicos de gás por dia, mas nos últimos 10 dias reduziu esse contingente para 4 a 5 milhões de metros cúbicos por dia. O país também importa gás natural da Rússia, Ucrânia, Roménia e Bulgária.
No ano passado o Irão suspendeu em pleno Inverno o fornecimento de gás natural à Turquia, argumentando problemas técnicos relacionados com as baixas temperaturas. Ancara duvidou dessa justificação.
Fonte: ANSA

Advogados de Turco que tentou matar o Papa pedem a sua libertação


Os advogados de Mehmet Ali Ağca, que em 1981 tentou matar o papa João Paulo II, entraram com um pedido na segunda-feira para a sua libertação.
A petição requer a libertação de Ağca no dia 18 de Janeiro. Ağca cumpriu 19 anos de prisão em Itália, mas foi perdoado a pedido do papa João Paulo II em 2000. Foi então extraditado para a Turquia para cumprir pena pelo assassínio do jornalista Abdi İpekçi, em 1979, entre outras acusações.
Os advogados alegam que a pena de 40 anos de prisão se tratou de uma troca pela pena de morte, e que portanto já não é válida porque a Turquia aboliu a pena capital em 2002.
Ağca chegou a ser libertado por pouco tempo no início de 2006, o que provocou protestos na Turquia. O Supremo Tribunal determinou que voltasse a ser preso, e o Ministério Público calculou que só poderia ser libertado em 18 de Janeiro de 2010.
O motivo para Ağca ter atingido o Papa na Praça de São Pedro ainda é um mistério, mas há quem acredite que ele tenha sido contratado por serviços de segurança soviéticos alarmados com a oposição de João Paulo II ao Comunismo.

(Fonte: Reuters)

Número de mortos do atentado em Diyarbakır sobe para seis

O número de mortos no atentado de quinta-feira passada em Diyarbakır, no sudeste da Turquia, subiu ontem para seis, com a morte de um dos feridos.
Uma bomba explodiu na quinta-feira e atingiu um autocarro militar numa avenida da cidade de Diyarbakır, de população maioritariamente curda. Cinco pessoas morreram, entre elas quatro estudantes, e 68, incluindo 30 soldados, ficaram feridas.
O alvo do ataque foi o comboio militar, mas as maiores vítimas foram jovens estudantes que estavam a fazer um exame no interior de um edifício localizado nas imediações.
A pessoa que morreu ontem, Engin Taşkaya, era um estudante que estava na unidade de terapia intensiva do hospital universitário de Diyarbakır.
As autoridades turcas responsabilizaram o ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) pelo atentado.


(Fonte: EFE)

Parlamento turco aprovou a proibição do fumo de tabaco em bares e restaurantes


O Parlamento da Turquia aprovou na quinta-feira a proibição do fumo de tabaco em bares e restaurantes, mas, segundo analistas, implementar a medida será difícil.
A proibição deverá entrar em vigor 18 meses depois do presidente da Turquia, Abdullah Gül, sancionar a lei.
A medida, revolucionária para os padrões turcos, aparece pouco depois de proibições semelhantes terem sido adoptadas em França, na Alemanha e também em Portugal. Muitos outros membros da União Europeia (UE) também baniram o fumo dos locais públicos fechados.
O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan, defendeu a proibição, e o Parlamento aprovou a lei por 240 votos contra dois.
A medida abrange também os charutos, os cachimbos e os tradicionais narguilés, bastante procurados por turistas que visitam a Turquia e também pelos próprios Turcos.
Os fumadores de Ancara mostraram-se insatisfeitos com a medida antes mesmo da sua aprovação. "Essa proibição é revoltante. Isso contraria a liberdade individual", afirmou Mustafa Puskullu, um consultor de vendas, enquanto fumava um cigarro durante o almoço num centro comercial de Ancara. "Eu, com certeza, não vou obedecer a essa lei", acrescentou.
A Turquia, para além de ser um grande consumidor, é também um grande produtor de tabaco.
Num país com cerca de 70 milhões de habitantes, cerca de 20 milhões fumam, consumindo cerca de 115 bilhões de cigarros por ano, segundo as estatísticas.

(Fonte: Notícias da Turquia / Reuters)

05 janeiro 2008

Foram detidos quatro suspeitos do atentado em Diyarbakır

A polícia turca deteve quatro pessoas suspeitas de estarem ligadas ao atentado de quinta-feira que custou a vida a cinco pessoas e feriu 68 em Dıyarbakır.
Durdu Kavak, procurador da província turca de Diyarbakır, afirmou que os suspeitos estão a ser interrogados na sequência do atentado.
A explosão, que custou a vida a cinco pessoas, quatro dos quais estudantes, deu-se quando um autocarro que transportava militares passava junto a um hotel de cinco estrelas.
A detonação incendiou os carros que se encontravam na rua e estilhaçou os vidros das janelas dos prédios mais próximos, incluindo um onde estudantes se preparavam para uma prova de exames finais.
O ataque parece ser a resposta a três ataques aéreos turcos contra rebeldes curdos refugiados no norte do Iraque no mês passado.
O atentado não foi reivindicado mas as autoridades turcas responsabilizaram de imediato os separatistas do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) que lutam pela autonomia no sudeste da Turquia, combate que já causou mais de 37.000 mortos desde 1984.


(Fonte: Diário Digital)

04 janeiro 2008

Explosão de bomba em Malatya faz seis feridos

Seis pessoas ficaram feridas, duas das quais em estado crítico, em resultado da explosão de uma bomba lançada contra uma empresa da cidade de Malatya, no sudeste da Turquia.
O atentado aconteceu hoje e ainda não foi reivindicado, mas a polícia está no encalço de dois suspeitos.
O atentado ocorreu um dia depois de um outro atentado que ocorreu na cidade de Diyarbakır, também no sudeste da Turquia, ter causado a morte de cinco pessoas e ferimentos em 68.

Imprensa turca refere o "lapso" do presidente da ASAE


Um dos mais importantes jornais turcos (Hürriyet), faz hoje referência ao facto de António Nunes, o presidente da ASAE, uma das autoridades que vai fiscalizar o cumprimento da nova lei do tabaco, ter sido apanhado a fumar uma cigarrilha na madrugada do Ano Novo no Casino Estoril, após a nova lei que proibe o fumo do tabaco em todos os recintos fechados ter entrado em vigor.

Foram detidos 46 elementos do grupo islâmico turco Hezbollah

A Polícia turca deteve 46 militantes do grupo radical islâmico turco Hezbollah em várias operações em quatro províncias da Turquia.
As detenções começaram na quinta-feira na província de Konya, e continuaram hoje nas províncias de Istambul, Mersin e Dıyarbakır.
Em Konya foi detido o maior número de pessoas, e as outras foram capturadas nas outras três províncias. Entre os detidos estão os novos líderes da organização, muito activa no final dos anos 90 e desmantelada em 2000. No ano passado, 30 membros do Hisbolá foram condenados a prisão perpétua por crimes cometidos nos anos 90. O Hezbollah turco - que, segundo os analistas, não tem nada a ver com a organização de mesmo nome no Líbano - criou então um ambiente de terror nas províncias do sudeste da Turquia, que têm maioria de população curda.

(Fonte: Notícias da Turquia / EFE)

Cinco mortos e 67 feridos em explosão de bomba no sudeste da Turquia


Cinco pessoas morreram e outras 67 ficaram feridas na explosão de uma bomba nesta quinta-feira em Dıyarbakır, a principal cidade do sudeste da Turquia e de maioria curda.
Segundo a rede de televisão NTV, estudantes que acompanhavam uma aula num edifício perto do local da explosão podem estar entre os mortos. Soldados e civis estão entre os feridos, segundo fontes hospitalares.
A explosão aconteceu na passagem de um veículo militar numa estrada do centro da cidade, a cerca de 100 metros de uma base do Exército turco, destacou uma fonte policial.
A televisão mostrou imagens de bombeiros tentando apagar um grande incêndio que destruiu dois carros, além do veículo militar.
A polícia instalou um cordão de segurança e afastou os jornalistas por precaução no caso de ocorrer uma nova explosão.
Dıyarbakır localiza-se no centro de uma região de maioria curda e já foi palco de atentados à bomba reivindicados pelos rebeldes separatistas do ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).
A explosão desta quinta-feira coincide com a multiplicação das operações do Exército turco contra o PKK.
O Estado-Maior turco confirmou três operações aéreas contra posições do PKK no norte do Iraque desde o dia 16 de Dezembro, assim como uma operação terrestre para impedir um grupo de rebeldes de se infiltrar na Turquia. Segundo dirigentes locais do norte do Iraque, houve duas outras incursões aéreas.
De acordo com o Exército turco, pelo menos 150 militantes do PKK foram mortos e mais de 200 posições dos rebeldes foram destruídas até agora.

(Fonte: Notícias da Turquia / AFP)

03 janeiro 2008

Turquia quer alargar a proibição de fumar a bares e restaurantes


O Parlamento turco começou a debater, esta quarta-feira, um alargamento da lei anti-tabaco a bares e restaurantes.
Actualmente na Turquia é proibido fumar nos transportes e em alguns edifícios públicos, como centros desportivos, e em escritórios com mais de quatro empregados. É também proibido fumar nos centros comerciais, com excepção da área da restauração.
Nas ruas de Ancara as opiniões são quase unânimes. Diz um transeunte que "a lei é positiva porque actualmente não se pode exigir que alguém apague o cigarro num restaurante." Um jovem reconhece que "a decisão é boa, mas não acredito que alguém obedeça à nova lei."
A nova legislação tem os mesmos contornos da portuguesa e francesa que entraram em vigor no dia 1 de Janeiro, ou seja, fumar em cafés, bares e restaurantes vai passar a ser proibido. Para um proprietário de um café "a lei já chega atrasada porque os restaurantes passarão a ser bem mais agradáveis sem fumadores."
A Turquia é um dos maiores produtores mundiais de tabaco e os sinais de proibição de fumar são muitas vezes ignorados pelos fumadores.
O Parlamento turco deverá votar o texto nos próximos dias.

(Fonte: Notícias da Turquia / Euronews)

O jogador português Neca fala da sua experiência na Turquia


O Português Neca está a jogar no clube da cidade de Konya, um dos mais fervorosos epicentros da religião muçulmana na Turquia.
O ex-jogador do Belenenses, V. Guimarães e Marítimo (com quem ainda tem contrato) confessa estar num sítio "onde não é fácil viver", mas assegura estar adaptado e pronto para dar o "salto" até um clube com outras dimensões.
Em estágio no sul do país, onde virou a página do ano, Neca falou sobre o país.
"Vivo numa cidade essencialmente religiosa, onde há pouco para fazer. É tudo muito parado e, quando não trabalho, estou quase sempre em casa. Por isso prefiro não ter aqui a minha família", explica o médio, que tem em José Gomes (ex-jogador do Rio Ave e Marítimo) o principal suporte nesta aventura por terras da Anatólia, uma região onde o futebol assume contornos preponderantes. "Os estádios estão sempre cheios. Em casa, por exemplo, temos sempre mais de 10 mil espectadores. E não estou num dos principais clubes". Na vertente puramente desportiva, Neca assinala diferenças curiosas. "Em todos os jogos do campeonato ouve-se o hino da Turquia, antes do pontapé de saída. É como se fosse um jogo de selecções. Penso que não acontece em mais nenhum país". Mesmo salientando que o balanço desta experiência é positiva, há duas histórias que demonstram bem em que tipo de sociedade Neca está inserido. "Num jogo para a Taça da Turquia, disputado numa pequena localidade muito perto da fronteira com o Iraque, estivemos num verdadeiro cenário de guerra", vocifera. "Tivemos medo". Mas os nervos em franja não se resumem a este episódio. "Num dos últimos jogos da temporada anterior, fomos jogar a casa do Rizespor, que não podia perder. Se perdesse, descia de divisão". Neca estava lesionado, tentou ir apoiar os seus colegas na bancada e não conseguiu. "Os adeptos da casa e a polícia não mo permitiram. O ambiente era muito pesado e acabei por ficar barricado no balneário. Ouvi o relato num rádio a pilhas". O Rizespor não perdeu e continua na primeira divisão. Perfeitamente adaptado ao dia-a-dia no Konyaspor, Neca sorri quando recorda os primeiros dias no clube. E se, em relação aos métodos de trabalho não encontrou grandes diferenças, já no ambiente de balneário o choque foi imediato. "Não podemos estar nus ao lado de um muçulmano. Por acaso os meus colegas brasileiros avisaram-me e estava precavido", descreve entre sorrisos. "Temos duches individuais. Entrámos para lá equipados e tomámos banho sozinhos". De qualquer forma, Neca não pretende regressar já a Portugal. "Gostaria de voltar a jogar no meu país, mas ainda é cedo. Nesta altura, só se fosse para jogar num clube grande. Financeiramente estou muito bem e espero continuar por cá".

(Fonte: MaisFutebol)