24 janeiro 2015

Erdoğan diz que a UE deve aceitar a Turquia se estiver contra a islamofobia

"Pode a Europa digerir uma Turquia cujo povo é islâmico? Poderá acolhê-la como membro? Está contra a islamofobia ou não? Se está contra deve aceitar a Turquia", diz o presidente turco, Erdoğan.

O Presidente da Turquia, Recep Tayip Erdoğan, afirmou hoje que a União Europeia (UE) deve aceitar o seu país como membro se quiser demonstrar que é contra a islamofobia.
Numa conferência de impresa, transmitida em dirceto pela cadeia NTV em Djibouti, onde se encontra em viagem oficial, Erdoğan disse: "Estamos a pôr à prova a Europa. Pode a Europa digerir uma Turquia cujo povo é islâmico? Poderá acolhê-la como membro? Está contra a islamofobia ou não? Se está contra deve aceitar a Turquia. De outro modo, confirmar-se-ia a tese de que a UE é uma união cristã", acrescentou o chefe de Estado turco.
Erdoğan também sublinhou que "não é importante se a UE aceita ou não a Turquia" e que o país "não está a bater à porta a pedir um favor".
O Presidente turco iniciou na quinta-feira uma visita pela África oriental, passando pela Etiópia e Djibouti, mas cancelou a sua viagem à Somália depois da morte do rei Abdullah da Arábia Saudita, em cujo funeral esteve presente na sexta-feira.

(Fonte: DN)

20 janeiro 2015

Vítor Gomes assina pelo Balikesirspor

O Balikesirspor anunciou a contratação de Vítor Gomes, depois de ter chegado a acordo com o Moreirense para a transferência do médio português.
É o terceiro jogador que o clube turco "pesca" no Minho, depois de no início da época ter assegurado Nuno André Coelho, ex-Braga, e André Santos, ex-Vitória de Guimarães.
Vítor Gomes, de 27 anos, tinha chegado esta temporada a Moreira de Cónegos e era uma das peças influentes na equipa de Miguel Leal. O médio deixa o clube como um dos melhores marcadores, a par de André Simões, com três golos. O último que marcou foi no domingo, frente ao Arouca (1-0).
Esta será a terceira experiência de Vítor Gomes fora de Portugal, depois de ter passado pelos italianos do Cagliari e pelos húngaros do Videoton. O Balikesirspor é último classificado do campeonato turco, com 12 pontos. A equipa está a dois pontos do Rizespor, a primeira equipa em zona de manutenção.
 
(Fonte: Rádio Renascença)

14 janeiro 2015

Jornal turco publica caricaturas de Charlie Hebdo

O jornal turco Cumhuriyet é o único órgão da imprensa, num país muçulmano, a ousar publicar as caricaturas de Charlie Hebdo e já recebeu ameaças telefónicas.
Um jornal da oposição turca enfrentou hoje sozinho as pressões e ameaças que se multiplicam nos países muçulmanos, publicando caricaturas, incluindo de Maomé, da primeira edição do semanário Charlie Hebdo depois do atentado que dizimou a sua redação.
Depois de um controlo da polícia durante a noite, o diário Cumhuriyet, inimigo jurado do presidente islamo-conservador turco Recep Tayyip Erdoğan, distribuiu na sua edição de hoje um encarte de quatro páginas em turco com o essencial do último número do Charlie Hebdo, incluindo a primeira página que suscitou novamente críticas do mundo islâmico.
Neste desenho de Luz, um Maomé de lágrima no olho segura uma folha com a frase 'Je suis Charlie', o 'slogan' de milhões de manifestantes que desfilaram em França e no estrangeiro para condenar os ataques 'jihadistas' que causaram 17 mortos em três dias em Paris.
O Cumhuriyet é, até agora, o único órgão da imprensa a ousar publicar aquelas caricaturas num país muçulmano.
"Publicámos este suplemento por solidariedade com o Charlie e por defender a liberdade de expressão", declarou à agência France Presse o chefe de redação do jornal, Utko Cakirozer.
O responsável adiantou que por respeito pela "sensibilidade religiosa da sociedade turca" o Cumhuriyet não reproduziu toda a primeira página do jornal satírico francês, onde a caricatura do profeta Maomé tinha por cima a frase "Tudo está perdoado".
"Repito-o mais uma vez, o terrorismo é um crime contra a Humanidade, seja qual for a sua origem. É por isso que ele (o profeta) tem na sua mão um cartaz 'Je suis Charlie'", escreveu Cakirozer na sua coluna, adiantando "esta caricatura não tem nada a ver com o profeta Maomé, é um símbolo de humanidade e justiça".
Fundado em 1924 por um próximo do fundador da Turquia moderna e laica Mustafa Kemal Ataturk, o Cumhuriyet (A República em turco) é resolutamente contra o regime do presidente Erdoğan, tendo sido alvo de vários processos nos últimos anos, bem como de atentados. Vários dos seus jornalistas foram detidos.
Cakirozer disse à AFP que desde terça-feira tem recebido ameaças telefónicas.
Efectivos da polícia foram destacados para junto dos escritórios do jornal em Istambul e em Ancara.

(Fonte: DN)

12 janeiro 2015

Travelport anuncia novos investimentos na Turquia

A Travelport, que em Portugal colabora com a grande maioria das agências de viagens, vai avançar com uma série de novos investimentos no mercado turco. A multinacional de turismo passa a contar com uma nova subsidiária operacional em Istambul que representa e distribui os sistemas de reservas Galileo e Worldspan da Travelport, substituindo a Turkish Airlines. Ibrahim Koyman – profissional com mais de 15 anos de experiência no sector do Turismo, quer no mercado turco quer nas regiões envolventes, e que trabalhou em empresas como FlyDubai e Vodatech – será responsável pelas operações no terreno, assumindo a gestão e controlo da estratégia de negócio da Travelport.
A operar há 20 anos na Turquia, a Travelport aposta na melhoria das infraestruturas e serviço ao cliente, reforçando a sua presença no mercado turco e acompanhando o crescimento da indústria, sendo que a despesa turca em viagens ultrapassou os 29 mil milhões de dólares em 2013, de acordo com a Timetric. Estes investimentos permitem aos parceiros da Travelport acederem a soluções tecnológicas pioneiras e produtos inovadores, contando com uma equipa local que vai prestar o apoio necessário para o incremento de negócio de agências, empresas de gestão de viagens e consolidadores.
Rabih Saab, responsável da Travelport pelos mercados de África, Mediterrâneo, Médio Oriente e sul da Ásia, explica a opção da multinacional: “A Turquia é um dos mercados estratégicos para a Travelport, até pelo crescimento acelerado que regista, nomeadamente na componente tecnológica”. O responsável acrescenta que “estes investimentos reforçam o compromisso da Travelport em fornecer aos parceiros locais as mais recentes soluções e produtos”. Ibrahim Koyman reforça o profissionalismo e experiência da multinacional: “Temos uma equipa muito competente, com um conhecimento muito aprofundado do mercado, que incrementará o negócio de cada parceiro, indo ao encontro das suas necessidades específicas”.
 
(Fonte: Publituris)

09 janeiro 2015

Canoagem: Inês Esteves junta-se a Carlos Marques e vai representar a selecção da Turquia

A canoísta Inês Esteves vai representar em 2015 a selecção da Turquia, juntando-se ao igualmente ex-internacional português Carlos Marques, que, também 'tapado' na equipa das 'quinas', aceitou em 2014 o convite para representar aquele país.
Inês Esteves, de 24 anos, partiu em Outubro com a frustração de entender que merecia mais: "Faço parte da selecção desde 2005, fui uma atleta sempre assídua em estágios, com alguns altos e baixos, mas sempre me levantei e nunca baixei os braços, pois é realmente canoagem que gosto de fazer. Sempre lutei, no entanto, nunca me deram a devida oportunidade."
Em declarações à Lusa, o vice-presidente da federação e diretor técnico nacional, Ricardo Machado, descarta qualquer responsabilidade nas opções -- "em momento algum lhes dissemos que não contávamos com eles" -- e assume que a federação "não tem capacidade financeira para lhes oferecer as mesmas condições de outros países".
"Independentemente do nível competitivo e dos objectivos desportivos definidos, qualquer selecção nacional baseia-se no topo da pirâmide desportiva. Não sendo possível a participação de todos os atletas, há naturalmente necessidade de escolher os melhores, em consequente detrimento de outros", justificou.
Apesar de entender a "natural frustração" dos atletas, Ricardo Machado recorda "tudo o que a federação lhes proporcionou ao longo de vários anos" e insiste que a política desportiva da canoagem na última década "tem sido a mais bem-sucedida em Portugal": "Só em 2014 conquistamos 18 medalhas entre Europeus e Mundiais."
"A nossa equipa técnica já deu provas de que faz bem o seu trabalho, por isso, tem a nossa total confiança, em todas as opções que toma", insiste o dirigente. Mais novo, Carlos Marques partiu há um ano resignado à competitividade do grupo: "A selecção de Portugal tem as vagas ocupadas para os próximos oito anos. O nível da equipa neste momento é muito alto para atletas jovens como eu terem uma oportunidade. A situação económica do país também não permite dedicar-me a tempo inteiro à modalidade, preciso de um emprego. Na Turquia posso concentrar-me apenas na canoagem."
Além dos portugueses, a Turquia está a apetrechar a selecção com canoístas de vários outros países, incluindo da Hungria, a maior potência da modalidade. "O nível alcançado até ao momento, por um lado, e as restrições financeiras, por outro, impõem essa criteriosa seleção dos atletas para disputar as competições internacionais. Acedemos a que representassem outro país, apenas porque não queremos cortar-lhes o sonho internacional", completou Ricardo Machado.
A dupla terá a oportunidade de mostrar competência nos Europeus de Maio na República Checa e, principalmente, nos Mundiais de Agosto, que apuram para o Rio2016.
 
(Fonte: Record)

19 dezembro 2014

Turquia pede prisão para o imã rival de Erdoğan

O Ministério Público turco pediu mandado de prisão para o imã Fethullah Gülen, que se tornou o arqui-rival do Presidente Recep Tayyip Erdoğan, e vive nos Estados Unidos desde 1998. Gülen, de 73 anos, é acusado de ser o líder de “uma organização criminosa, que se estrutura nos media, na economia e na burocracia, violando a leis e os regulamentos”.
Este é o passo mais ousado na ofensiva de Erdoğan lançada nos últimos dias contra sectores dos media ligados a Gülen, defensor da modernização do islão, que construiu a sua influência graças a uma rede de escolas e universidades que formaram boa parte da moderna elite turca e tem um especial peso na justiça e na polícia.
A 14 de Dezembro foram presos o director de um important
e jornal diário ligado a Gülen, o Zaman, e o director do grupo de televisão Samanyolu, bem como outras figuras ligada aos media, criticadas pela União Europeia.
Mas nesta semana foram também anulados processos por corrupção iniciados em Dezembro do ano passado contra 53 pessoas, que chegaram a membros do Governo e figuras importantes da administração de Erdoğan. O dinheiro apreendido na casa do filho do ex-ministro do Interior Muammer Güler (cerca de 300 mil euros) e 1,5 milhões de euros descobertos dentro de caixas de sapatos na casa de Süleyman Aslan, ex-director geral do banco Halkbank, confiscados na altura, vão ser-lhes devolvidos – e com pagamento de juros, noticia o jornal turco Hürriyet, na sua edição online em inglês.
Estes processos foram considerados a grande ofensiva dos sectores que apoiam Gülen contra Erdoğan. Agora, está-se a assistir à resposta de Erdoğan, que acusa o ex-aliado de conspirar para o derrubar.
Mas colocar a disputa no plano internacional não será o mais benéfico para Erdoğan. As relações da Turquia com os Estados Unidos, que teriam de extraditar Gülen, já não são as melhores, tanto pelo discurso nacionalista do agora Presidente turco como pelas posições turcas sobre a guerra na Síria, nem sempre as mais satisfatórias para os EUA.
 
(Fonte: Público)   

Tribunal liberta editor de jornal com a mira apontada a Gülen

A Turquia prepara-se para pedir aos Estados Unidos a extradição do clérigo islamita e opositor do governo, Fethullah Gülen, sob acusação de alegada associação terrorista. Um tribunal anunciou esta sexta-feira ter aceitado o pedido do Procurador-Geral de Istambul para emitir um mandato de captura contra o clérigo islamita que reside nos Estados Unidos há mais de 15 anos.
Esse mandato, ao abrigo de um acordo geral neste sentido assinado entre os dois países, deverá conduzir ao pedido de Ancara a Washington para a extradição de Gülen, um antigo aliado do actual Presidente turco e actual opositor ao regime em vigor na Turquia.
O clérigo islamita é um dos responsáveis do grupo de comunicação Samanyolu, do qual fazem parte o jornal diário Zaman e a estação de televisão STV, que terão dado eco de uma reportagem e várias notícias, em 2013, sobre um caso de corrupção ao mais alto nível na Turquia e que motivou a queda de quatro ministros do executivo do então ainda primeiro-ministro Erdoğan.
O Governo de Ancara terá alegado provas de acusação contra várias pessoas ligadas a este grupo de comunicação, por alegada associação a grupo terrorista. Isso levou à prisão de quase 30 pessoas, entre elas o editor chefe do Zaman e o director executivo da STV.
Com muitos apoiantes da oposição a Erdoğan em protesto junto ao Palácio da Justiça de Istambul, o editor do jornal, Ekrem Dumanli, embora não absolvido, foi libertado esta sexta-feira ao lado de sete polícias suspeitos de corrupção. O jornalista vai aguardar julgamento em liberdade.
“Nós fomos interrogados pelo Procurador durante toda a noite. No final, perguntei-lhe se o motivo do tratamento a que fomos expostos por vários dias eram aqueles dois artigos e uma reportagem? Ele disse que ‘sim’, relatou Dumanli, ao microfone, perante a multidão de manifestantes, que apupou a alegada resposta do Procurador.
Menos sorte teve o director executivo da televisão. Hidayet Karaca vai aguardar julgamento atrás das grades e não calou a sua revolta, gritando repetidamente para as câmaras de televisão que “a imprensa livre não pode ser silenciada.”
Estados Unidos e União Europeia já revelaram desconfiança das acusações do Governo turco contra estes meios de comunicação e apelou a Ancara para não colocar pressão sobre a liberdade de imprensa.
 
(Fonte: Euronews)

18 dezembro 2014

Turkish Airlines reforça a operação em Portugal em 2015

A companhia aérea turca Turkish Airlines vai reforçar a operação em Portugal a partir da próxima Primavera, com a inauguração da rota entre o Porto e Istambul e o reforço da rota entre Lisboa e aquela mesma cidade turca.
A rota entre o Porto e Istambul, com três voos semanais, vai ser inaugurada no final de Abril e os voos entre a cidade turca e a capital portuguesa vão ser reforçados a partir do final de Março.
Nessa altura, a Turkish Airlines vai passar a disponibilizar 13 voos semanais, em vez dos 10 actuais, entre Lisboa e Istambul. No final de Abril, "ainda será adicionado mais um voo, num total de 14 voos por semana, entre as duas cidades.
 
(Fonte: Dinheiro Digital com Lusa)

03 novembro 2014

Nuno Coelho marca pelo Balikesirspor

O Balikesirspor empatou esta segunda-feira em casa do Eskişehirspor a dois golos, com dois portugueses no onze, André Santos e Nuno Coelho, em jogo da oitava jornada.
Yildirim marcou para os visitantes aos 27 minutos, mas Lawal empatou já na segunda parte, aos 65', e Funes Mori, avançado emprestado pelo Benfica, completou a reviravolta aos 74 minutos. Ainda assim, Nuno Coelho conseguiu empatar a 10 minutos dos 90.
 
(Fonte: Record)

02 novembro 2014

Turquia viola direito à educação

O Governo de Ancara está a fechar escolas de ensino secular substituindo-as por escolas públicas de ensino religiosas (Iman Hatip). Mais de 40.000 alunos, incluindo os não muçulmanos, foram forçados a frequentar estas escolas.
Com a reforma do sistema educativo, iniciada em Setembro, os alunos são colocados nas escolas com base nos resultados dos exames nacionais. Os que não conseguem entrar na primeira escolha vão para os estabelecimentos mais perto das suas casas. O problema é que as escolas seculares têm vindo a ser substituídas pelas Iman Hatip e em muitas áreas são a única opção disponível, deixando os alunos e os pais sem qualquer poder de escolha.
O problema não é novo: em Setembro, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou a Turquia dando procedência a uma queixa datada de 2011 de pais de alunos alevitas por estes serem forçados a frequentar um sistema educativo baseado nas convicções sunitas. Esta violação do direito à educação tem de ser resolvida «o mais rápido possível», recomendou o tribunal.
Actualmente existem cerca de 40.000 escolas públicas na Turquia. Segundo o Economic Research Institute (ERI), o número de escolas Iman Hatip aumentou 83 % nos últimos cinco anos, em comparação com o aumento de 57% das escolas de ensino regular e de 23% de escolas técnicas.
Mais de 1.450 escolas foram convertidas em escolas religiosas, desde 2010 a 2013, diz o ERI.
Os críticos acusam o novo sistema de educação de ser ideológico e de fazer parte de um plano dos dirigentes do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), que está no poder, de ‘islamizar’ a educação e de desmantelar o sistema secular fundado por Mustafa Kemal Atatürk.
«As mudanças no sistema foram feitas para apoiar a ideologia e o projecto religioso do Governo. Este sistema vai substituir o conhecimento, a ciência e as artes pelo dogma», disse à Al Jazeera Namik Havutca, do Partido Republicano (CHP).
 
‘Nova’ Turquia
 
Sinal dos tempos, Tayyp Erdoğan inaugurou na quarta-feira um palácio presidencial com mil divisões, em Ancara. Terá custado 280 milhões de euros e é mais um factor de divisão. «A nova Turquia deve afirmar-se com algo novo», disse o Presidente. Mas os secularistas encaram o abandono do palácio Çankaya, símbolo da República, como uma provocação e um gasto desnecessário.
 
(Fonte: Sol)

01 novembro 2014

Cidade síria de Kobane lembrada em Lisboa

A cidade síria de Kobane e a luta que ali acontece há mais de um mês foi lembrada este sábado no centro de Lisboa, numa manifestação aplaudida por Serdar Tunagur, curdo com o “coração na terra”.
Este sábado, “Dia Mundial Kobane”, em que ocorrem em todo o mundo acções para mobilizar apoios à cidade cercada pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI), no Rossio, em Lisboa, a situação também foi lembrada, com cartazes e com música.
Tunagur, 34 anos, refugiado curdo a viver em Portugal há quase quatro anos, dois filhos, um deles já nascido no país, esteve na frente dos cartazes, para dizer que “os curdos não aceitam os islamismos radicais”.
“Kobane historicamente é curda, são os curdos quem vive lá, e o EI quer matar os curdos”, diz Serdar Tunagur, acrescentando que estão de facto a matar, incluindo idosos, mulheres e crianças.
E há 47 dias, afirma, que os curdos estão a lutar para viver, “para não deixar a sua terra”, porque o EI não conseguiu em Kobane o que fez no Iraque, que foi tomar cidades numa noite.
Ainda assim, Serdar Tunagur é um homem optimista. Louva o apoio dos países ocidentais na luta contra o EI, mas lamenta que tenham “esperado 35 dias”, deixando os curdos a lutar sozinhos, quase sem armas, sem perceberem que “os curdos não iam deixar a sua terra e iam morrer ali”.
De Portugal vai acompanhando o que se passa lá. “Vivemos aqui, mas os nossos sonhos, ideias, a nossa cabeça, está tudo lá”, justifica. E por isso admite voltar “a casa um dia”. “O nosso coração vive na nossa terra”.
Foi por tudo isso que com a mulher e os filhos esteve junto da estátua de D. Pedro V, no Rossio, ao lado de cartazes a dizer “Save Kobane” ou “Viva a Resistência em Kobane”.
Muitos cartazes e música, e panfletos distribuídos por Sian Eden, turco, do movimento Ritmos de Resistência, uma rede de activistas contra o capitalismo, a globalização, a exploração e a opressão.
Diz à Lusa que os Estados Unidos apenas apoiam Kobane para a situação ficar como está, mas “não para o movimento curdo ganhar”.
Basicamente, diz, é preciso abrir “um corredor” para que outros curdos se possam juntar aos que lutam em Kobane, porque há muitos a querer fazê-lo.
Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, na noite passada entraram na cidade (que fica perto da fronteira com a Turquia) 150 curdos iraquianos (peshmergas),para combater o EI.
Desde o início da ofensiva, a 16 de Setembro, Kobane está completamente cercada pelos radicais do EI, excepto a norte, parte que limita com Turquia.
Nas últimas horas os combates continuam em Kobane, nomeadamente na zona da mesquita Al Hach Rachad, lá onde vive o coração de Tunagur.
 
(Fonte: Observador)

31 outubro 2014

Chegadas de portugueses à Turquia aumentam 31,6% em Setembro

A Turquia teve em Setembro um aumento em 31,6% do número de visitantes residentes em Portugal, que foram 6 410.
 
Esta subida, que significou um incremento de 1 540 relativamente a Setembro de 2013, impulsionou o crescimento da chegada de residentes em Portugal nos primeiros nove meses deste ano para 13,6%, representando um aumento de 5 054, para 42 319.
Estes números, divulgados pelo Ministério turco da Cultura e do Turismo, seguem a tendência verificada no Aeroporto de Lisboa, mas sem atingir os mesmos níveis de crescimento.
Em Setembro o movimento de passageiros em voos de e para a Turquia aumentou em 69,8% ou cerca de 5,8 mil, atingindo um total de 14 202, e nos nove meses de Janeiro a Setembro o aumento é em 33,1% ou cerca de 25,8 mil, para 103,9 mil.
A Turkish Airlines, parceira da TAP na Star Alliance e única companhia com voos regulares entre Portugal (Lisboa) e a Turquia (Istambul), teve em Setembro 13 247 passageiros nestas ligações, em alta de 58,5% ou cerca de 4,9 mil, e nos primeiros nove meses deste ano somou 99,3 mil, em alta de 33,3% ou cerca de 24,8 mil.
A Turkish, porém, não se dedica em Portugal apenas ao tráfego que tem como destino final a Turquia, pois aposta também em fazer valer o seu hub de Istambul para conexões para outros destinos, designadamente do Médio e Extremo Oriente.
Além dos voos da Turkish, o Aeroporto de Lisboa teve também este Setembro charters para Antália e Istambul, que no mês homólogo de 2013 não existiram.
Os charters para Antália somaram 693 passageiros nos dois sentidos em Setembro e 3 011 nos primeiros nove meses, neste caso com um crescimento superior a 200%.
Os charters para Istambul transportaram 262 passageiros em Setembro e 1 615 deste o início de 2014, neste caso em queda de 60,8%.

Fonte: (Press Tur)

30 outubro 2014

Crise da Rússia chega ao turismo da Turquia

A Turquia teve em Setembro um aumento das chegadas de visitantes estrangeiros em 2% ou 86,3 mil, para 4,352 milhões, porque lhe ‘valeram’ os emissores da Ásia, que compensaram a queda do seu maior emissor este ano, a Rússia.

Dados do Ministério turco da Cultura e da Economia revelam que em Setembro as chegadas da Rússia caíram 10,2% ou cerca de 72,3 mil, a que se somou uma queda também das chegadas da Ucrânia, em 35,4% ou cerca de 37,7 mil.
Estas quedas acarretaram um decréscimo em 9,5% ou cerca de 113,2 mil visitantes residentes nos países da UIS (União de Estados Independentes), que foi compensada principalmente pelo aumento das chegadas dos emissores asiáticos em 23,5% ou 110,4 mil, com realce para o Irão, que foi mesmo o emissor de onde teve o maior aumento em Setembro, em 34,5% ou 47,9 mil.
Igualmente em alta estiveram as chegadas de emissores europeus, com realce para a Alemanha (+4,6% ou mais 28,6 mil), Reino Unido (+10,8% ou mais 10,3 mil), Bulgária (+10,8% ou mais 17,3 mil) e Grécia (+21,9% ou mais 13,4 mil).
O maior emissor em Setembro foi a Alemanha, com 645,9 mil visitantes, seguida da Rússia, que apesar da queda totalizou 637,7 mil, ficando à frente do Reino Unido (400,4 mil), Irão (186,5 mil) e Bulgária (176,7 mil).
O Top10 dos emissores em Setembro inclui ainda a Geórgia, com 163,6 mil (-9,7% ou menos 17,7 mil), a Holanda, com 132,4 mil (-5,1% ou menos 7,1 mil), França, com 90,3 mil (-1,2% ou menos 1,1 mil), Estados Unidos, com 89,6 mil (-3,4% ou menos 3,1 mil), e Suécia, com 84,5 mil (-11,2% ou menos 10,6 mil).
Entre os emissores de onde a Turquia teve maiores aumentos das chegadas em Setembro contaram-se, além do Irão (mais 47,9 mil), Alemanha (mais 28,6 mil), Reino Unido (mais 20,3 mil), Bulgária (mais 17,3 mil) e Grécia (mais 13,4 mil), também a Arábia Saudita, que foi mesmo o emissor com o segundo maior aumento, com mais 35 mil (+240,2%, para 49,6 mil).
Os dez maiores aumentos do mês incluem ainda a Polónia, com mais 9,2 mil (+12,4%, para 83,2 mil), a China, com mais 8,6 mil (+57,1%, para 23,6 mil), a Índia, com mais 4,7 mil (+60,6%, para 12,5 mil), e o Japão, com mais 4,6 mil (+31,3%, para 19,6 mil).
Nos nove meses de Janeiro a Setembro, em que se dilui o impacto da crise Rússia-Ucrânia e da desvalorização do rublo, a Rússia mantém-se o maior emissor para a Turquia com 4,143 milhões de visitantes, em alta de 8,6% ou 328,8 mil, suplantando a Alemanha, que no período homólogo de 2013 era nº 1, mas cujo crescimento este ano é de 3,4% ou 133 mil, para 4,089 milhões.
A lista dos maiores emissores até Setembro inclui ainda o Reino Unido, com 2,219 milhões (+4,5% ou mais 96,5 mil), a Geórgia, com 1,344 milhões (-2,6% ou menos 35,5 mil), o Irão, com 1,297 milhões (+39,6% ou mais 367,7 mil), a Bulgária, com 1,269 milhões (+8,3% ou mais 96,7 mil), a Holanda, com 1,092 milhões (-0,1% ou menos 1,3 mil), França, com 869,1 mil (+0,8% ou mais 6,8 mil), Iraque, com 670,2 mil (+25,3% ou mais 135,4 mil), e a Grécia, com 631,3 mil (+24% ou mais 122,3 mil).
O Irão mantém-se nos nove meses como o emissor com o maior aumento (mais 367,7 mil), seguido da Rússia (mais 328,8 mil), Iraque (mais 135,4 mil), Alemanha (mais 133 mil), Grécia (mais 122,3 mil), Arábia Saudita (mais 104,2 mil ou +56%, para 290,3 mil), Bulgária (mais 96,7 mil), Reino Unido, mais 96,5 mil), Polónia (mais 83,8 mil) e Coreia (mais 47,6 mil ou +33,3%, para 190,5 mil).
A informação do Ministério turco da Cultura e Turismo mostra que o aumento em 6,1% ou 1,733 milhões de visitantes nos primeiros nove meses deste ano, para +30,088 milhões, deveu-se ao aumento em 7,1% ou 1,909 milhões de turistas (que pernoitaram pelo menos uma noite no país), para 28,679 milhões, compensando um decréscimo dos excursionistas (que não fizeram qualquer pernoita) em 11,1% ou 175,6 mil, para 1,408 milhões.
Antalya manteve-se a principal ‘porta de entrada’ na Turquia, com 10,014 milhões de visitantes de Janeiro a Setembro, acima do período homólogo de 2013 em 4,7% ou 453,3 mil, mas foi Istambul que teve o maior aumento, em 12,7% ou 1,015 milhões, para 8,985 milhões.

(Fonte: PressTur)


Lucro da Inapa quintuplica para 800 mil euros com ajuda da Turquia

A fábrica comprada na Turquia no ano passado contribuiu para a subida do negócio do papel, o principal mercado da empresa. A embalagem também ajudou às contas. A dívida continua a ser para diminuir.
 
A Inapa conseguiu quintuplicar os lucros nos primeiros nove meses do ano. Os negócios do papel, a principal operação, e da embalagem, impulsionaram as contas da empresa liderada por José Félix Morgado.
 
O resultado líquido nos primeiros nove meses do ano ascendeu a 800 mil euros, praticamente cinco vezes mais do que os 160 mil euros alcançados no mesmo período de 2013, conforme aponta o comunicado de resultados enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).
 
O aumento das receitas permitiu este crescimento do lucro da distribuidora. As vendas subiram 4,8% para 681,3 milhões de euros. Para este campo contribuiu o negócio central da empresa, o papel, em que o aumento das receitas foi de 4,4%. Nos negócios complementares, a embalagem verificou um comportamento positivo, com um avanço de 24,9%, ao passo que a comunicação visual deslizou 1,7%.
 
A margem bruta ficou-se pelos 124,2 milhões de euros, uma subida de 4,7%. Os custos cresceram 1,7% para os 102,3 milhões de euros. O EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) recorrente – sem influência de aquisições – subiu 17,5% para 18,5 milhões de euros.
 
Turquia sustenta papel
 
As vendas do papel subiram 4,4% para 591,6 milhões de euros. Um valor que foi sustentado pela entrada no mercado turco, com a fábrica Korda, em 2013. "A ligeira desaceleração do crescimento económico levou a um abrandamento no crescimento do negócio do papel em termos orgânicos, cujo aumento de vendas reflecte a contribuição relevante decorrente da entrada no mercado turco", acrescenta o comunicado.
 
É por isso que, no documento, a Inapa ressalva que "a evolução do volume de negócios confirma a execução em 2013 do plano estratégico de investimento nos mercados emergentes, como a Turquia, e dos negócios complementares, designadamente no sector da embalagem".

A embalagem registou uma subida de 24,9% para 48,6 milhões de euros, "impulsionada pelo crescimento nos mercados onde opera e complementado pelas aquisições da Karbox (França), Tradembal (Portugal) e Realpack (Alemanha)". Já a comunicação visual obteve vendas 23,1 milhões de euros, uma quebra de 1,7% em termos homólogos.
 
Em relação à dívida, uma prioridade assumida pela gestão, houve uma redução de 2% para 321 milhões de euros. Excluindo as compras de activos do ano passado, a dívida caiu 6,6%.  
 
(Fonte: Jornal de Negócios)
 

Turquia é "uma das molas que está a puxar pela melhoria da rentabilidade "

O presidente da Inapa acredita que fez um bom investimento ao adquirir a fábrica Korda, na Turquia, que contribuiu para uma evolução positiva do negócio do papel. "Por enquanto", a Korda está apenas centrada no papel. Mas Félix Morgado frisou o "por enquanto".
A fábrica de papel turca Korda foi comprada em Setembro de 2013. E já ajudou as contas da compradora, a Inapa, até Setembro de 2014. Aliás, segundo o presidente executivo da empresa, "é uma das molas que está a puxar pela melhoria da rentabilidade".
 
A Inapa conseguiu que o lucro quintuplicasse, nos primeiros nove meses do ano, até aos 800 mil euros, graças ao avanço das vendas. O negócio do papel é o mais significativo. E a fábrica turca permitiu que esta operação, em declínio na Europa, tivesse um desempenho positivo. 
 
"Se retirássemos a Turquia e Angola, não teríamos crescido 4,8% nas vendas da Inapa. Teríamos um volume de negócios equivalente ao do ano passado", comentou ao Negócios o presidente executivo da empresa.

No comunicado de resultados, a Inapa sublinha que as contas confirmam "a oportunidade da execução" daquela compra no ano passado. A fábrica da Turquia centra-se no negócio do papel. "Por enquanto", sublinhou Félix Morgado.
 
As últimas compras foram bem sucedidas, segundo o CEO da distribuidora de papel, que está "a olhar para novas oportunidades". Novidades nunca são dadas antes de serem concretizadas, diz, mas certo é que a gestão não quer "descurar a redução da dívida" – uma das razões para que os dividendos não devam ser, novamente, distribuídos no próximo ano.
 
A melhoria dos resultados, com uma maior geração de fundos de caixa ("cash flow") tem permitido reembolsar alguma dessa dívida - que superou os 321 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2014. O fundo de maneio também tem vindo a ser reduzido. O controlo de custos também contribui para isso. Ainda assim, sublinha Félix Morgado, não se prevêem despedimentos. A Inapa emprega cerca de 1.500 funcionários nos vários mercados onde opera. Alterações neste número tanto podem ser no sentido ascendente como descendente, defende o CEO, referindo que se trata da normal vida das empresas.
 
O papel e as embalagens deram um contributo positivo para as contas dos primeiros nove meses de 2014. Já a comunicação visual sofreu uma ligeira contracção, algo que Félix Morgado atribui "a algum adiamento de algumas operações de investimento por parte de clientes", que espera que sejam retomadas no quarto trimestre. Apesar desta evolução "pontual", é para continuar a apostar neste negócio complementar. 
 
(Fonte: Jornal de Negócios)

28 outubro 2014

Dezanove homens presos em mina de carvão

Dezanove homens estão presos numa mina de carvão em Ermenek, província de Karaman, na Turquia, depois de um desabamento provocado por uma inundação.
O governador de Karaman revelou que 25 trabalhadores terão conseguido escapar, enquanto 19 ficaram presos dentro da mina. A operação de salvamento já está em marcha. Os mineiros estão presos numa galeria a cerca de 300 metros da superfície. Os ministros turcos da Energia e dos Transportes, Taner Yildiz e Lutfi Elvan, respectivamente, estão a dirigir-se para o local para acompanhar as operações de resgate.
 
(Fonte: TVI)