17 dezembro 2006

Behiç Aşçı em greve de fome contra o isolamento nas prisões turcas


Para protestar contra as condições de isolamento nas prisões turcas, Behiç Aşçı, um advogado que representa os prisioneiros políticos, está prestes a entrar no nono mês de uma greve de fome.
Durante 257 dias só ingeriu água com sal e açúcar para publicitar a sua oposição às denominadas prisões tipo F, introduzidas na Turquia no ano 2000 para albergarem prisioneiros ao abrigo das leis turcas anti-terrorismo.
Na Turquia, é ilegal uma ou mais pessoas pertencerem a uma organização com o objectivo de modificarem as características da República tal como estão especificadas na Constituição.

Uma jornalista do jornal diário "Turkish Daily News" entrevistou Behiç Aşçı na sua casa.

"Quando estava prestes a entrar no elevador que me levaria ao seu apartamento nos arredores de Istambul, em Şisli, a ideia de voltar para trás passou-me pela cabeça. No entanto, deparei comigo numa espaçosa sala de estar, sentada num sofá com um gato letárgico, a olhar para um placar coberto com notícias de jornal sobre a sua greve de fome. Agarrada a um urso de peluche sujo, uma criança de quatro anos com um vestido cor de rosa, corria de uma ponta à outra da sala, ao mesmo tempo que cantava. Estava a acompanhar a mãe numa visita a Aşçı. Ao mesmo tempo que esta pequena vida irradiava força pela sala, eu lia cartas dos seus apoiantes a encorajarem-no a continuar com a sua caminhada para a morte [...] e olhava para os 122 rostos afixados na parede, retratos daqueles que já se renderam na luta para alterar o "sistema F" na Turquia. Quando entrei no quarto, perguntou-me como é que eu estava. Como é que eu podia responder a uma pergunta daquelas? Seria possível sorrir e perguntar, 'como está?' Ele disse que há sete meses que não saía daquele quarto. 'A única diferença entre mim e os meus colegas, é que eu não estou no tribunal. Eu estou na cama a fazer o meu trabalho,' disse. Junto à sua cama estava uma fotografia de Fatma Koyupınar, a última oponente ao isolamento nas prisões tipo F a morrer de fome. Koyupınar era sua cliente e amiga e morreu na mesma casa após um ano de greve de fome. Behiç disse que sofria de insónias durante a noite, perda de visão no olho esquerdo, fadiga, batimento cardíaco irregular, queimamento nas mãos e baixa pressão arterial. Pesava 86 quilos antes da greve de fome. Quando entrei no seu quarto pesava 50 quilos".

O secretário-geral da Câmara dos Médicos de Istambul, Hüseyin Demirdizen, disse à revista "Tempo", que mesmo que Aşçı termine a greve de fome, já provocou danos irreversíveis no seu sistema nervoso, cérebro, músculos, ritmo cardíaco, coração e rins. Explicou que não era fácil uma tomada de posição neste confronto e que "foi um longo processo de decisão que começou em 2000". Destacou que ele estava a fazer o seu trabalho defendendo os direitos dos seus clientes, a maior parte culpados ao abrigo de leis anti-terroristas.

Na entrevista que concedeu, Aşçı pede mais condições humanitárias nas prisões de tipo F, em que as celas são para um a três prisioneiros. Disse que "o problema é os prisoneiros não terem oportunidade de interagirem com outras pessoas na prisão. A socialização é um direito humano básico." Ele também esteve numa prisão de tipo F durante 25 dias. Disse ainda que "uma pessoa sofre psicologicamente, porque a única coisa que se pode fazer é pensar. Não se tem livros, ar fresco, jornais, só o sentimento de vazio".

Os protestos com greve de fome começaram a 20 de Outubro de 2000, depois do início do plano de Estado para a transferência dos prisioneiros de grandes salas para as celas tipo F, à semelhança do que acontece nos Estados Unidos, com um ou três ocupantes. A 19 de Dezembro desse ano, para terminar com as greves de fome de centenas de prisioneiros, soldados turcos entraram nas 48 prisões de toda a Turquia. Durante essa operação, denominada pelo Governo de "Regresso à Vida”, pelo menos 31 presos e dois soldados morreram, e 426 presos ficaram feridos. Desde o ano 2000, 1005 prisioneiros foram transferidos para celas tipo F, 122 pessoas morreram em resultado de greves de fome e centenas permanecem incapacitadas em resultado das greves de fome.
O Partido/Frente Revolucionária de Libertação Popular (DHKP/C) considera a greve de fome como uma forma de activismo. De acordo com afirmações de alguns meios de comunicação social, polícia e fontes do Governo, o DHKP/C foi acusado de administrar várias das prisões tipo dormitório onde os seus "militantes” estavam alojados, tendo sido classificado como grupo terrorista pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos.
Os defensores dos direitos humanos, os partidos de esquerda, a Associação Médica Turca (TTB), o Sindicato dos Advogados Turcos (TBB) e a Associação dos Engenheiros e Arquitectos (TMMOB), manifestaram-se contra o desenho cruel das prisões tipo F. Um relatório conjunto do TTB, TBB e TMMOB, concluiu que as prisões tipo F foram criadas para derrubar psicologicamente os prisioneiros através do isolamento.
Este sistema foi criado um ano depois da Turquia se ter tornado oficialmente um país candidato à adesão à União Europeia. Numa atitude que pareceu estar de acordo com o caminho para a adesão à União Europeia, a Turquia começou a implementar o desenho das prisões de tipo F, de acordo com os modelos da União Europeia e dos Estados Unidos. Convenientemente, talvez, a separação dos prisioneiros ajudou a resolver o desagrado do Governo relativamente a uma situação que descreviam como “prisioneiros a governarem a prisão”. Muitos alegam que se foi mais além da utilização do isolamento como um estilo ocidental de “confinamento solitário” ou instrumento de punição, tornando-se em vez disso o modelo de procedimento para os prisioneiros políticos.
Na situação actual, os prisioneiros não se opõem ao sistema tipo F, mas à ênfase dada ao isolamento. Apesar do sistema turco se basear nas prisões dos Estados Unidos e Europa, os prisioneiros das prisões tipo F turcas dizem que contrariamente à maior parte dessas prisões, não têm espaço ou tempo para se socializarem. É o grau e a qualidade da interacção que muitos dizem ser incompatível com o sistema europeu e americano.
Algumas associações de direitos humanos e alguns políticos, têm relacionado os pedidos dos prisioneiros com a fórmula “três portas, três fechaduras”. Na arquitectura turca das prisões tipo F, existem celas para três pessoas em cada corredor. Os prisioneiros e os seus apoiantes, pedem para que as portas de cada corredor permaneçam abertas durante o dia. Aşçı disse que a concordância com esta fórmula, ou qualquer outra acordada entre o Governo e os prisioneiros, acabaria com a sua greve de fome.
O jornalista do diário "Hürriyet", Ahmet Hakan, também visitou Aşçı no início da passada semana. Escreveu uma carta aberta a Aşçı na passada quinta-feira pedindo-lhe para terminar a sua greve de fome. Escreveu: “Meu amigo Behiç, tens de acabar com isso porque triunfaste.” Hakan diz que mesmo que o Governo não faça nada, Aşçı renovou uma consciência pública que tinha sido perdida. De acordo com Hakan, o facto das organizações não governamentais e de grupos de defesa dos direitos humanos se estarem a manifestar publicamente sobre este assunto, faz com que Aşçı tenha atingido o seu objectivo.
Organizações não governamentais, artistas e cidadãos anónimos, participaram numa conferência sobre as prisões tipo F, a 4 de Dezembro em Istambul. Se por um lado a consciência pública aumentou significativamente, o Ministério da Justiça e o Directorado Geral das Prisões permanece em silêncio sobre o assunto. Ece Temelkuran, jornalista e autora do livro "O Que Mais Posso Dizer", sobre as greves de fome na Turquia como forma de protesto contra as prisões tipo F, diz que não aprova as greves de fome como forma de activismo, mas acredita que as condições que levam as pessoas a usar este método são importantes. "Ignorar 122 mortes e um advogado que está a morrer é mais terrível do que as próprias greves de fome," disse. Referiu ainda que "se não fosse este tipo de activismo radical, o isolamento nunca teria feito parte da agenda".
A jornalista que entrevistou Behiç só esteve com ele durante 13 minutos porque, "senti a necesidade de limitar a nossa conversa às suas necessidades mais imediatas. Não quis gastar a sua energia, que estava visivelmente limitada." Diz que pretende juntar a sua voz à de Ahmet Hakan, felicitando-o pela sua vitória e pedindo-lhe que termine a sua greve de fome: "O sistema judicial não vai ser salvo com a sua morte, mas com a sua vida. Tem clientes para defender no tribunal."

1 comentário:

maria disse...

Que ele soubesse que também uma brasileira, que acessa o blog de Lídia, junta sua voz a outras vozes e conta sobre sua bravura...
Se a vida não lhe é possível, que a morte lhe seja leve e que seu ato faça despertar outras consciências.