27 junho 2008

Terim orgulhoso e de saída


Fatih Terim confirmou que deve voltar a trabalhar num clube, isto depois de uma extraordinária campanha da Turquia no EURO 2008 ter terminado numa enorme desilusão frente à Alemanha.

Rumo ao estrangeiro
Terim termina, assim, a sua segunda campanha à frente da Turquia em grandes torneios. A estreia no EURO '96 acabou com três derrotas e sem golos marcados, mas a campanha na Suíça e na Áustria encheu de orgulho o povo turco. Recuperações fantásticas contra a Suíça, a República Checa e a Croácia ficarão para sempre na memória dos adeptos do futebol, bem como a presença inédita nas meias-finais, onde os jogadores turcos só cederam depois do golo de Philip Lahm a quatro minutos do fim. Terim, que foi nomeado para o cargo pela segunda vez em 2005, depois de ter treinado emblemas como o Galatasaray AS, a ACF Fiorentina e o AC Milan, adiantou sobre o seu futuro: "Depois de falar com o presidente [da Federação Turca de Futebol] e com os jogadores, muito provavelmente vou dizer: o meu trabalho está feito e espero que quem vier a seguir consiga fazer desta equipa campeã. Já disse que não vou continuar a trabalhar na Turquia e, como mantenho sempre as minhas promessas, o mais certo é ir trabalhar para o estrangeiro. De qualquer forma, não queria entrar em declarações mais específicas antes de falar com o presidente nos próximos dias".

Muito orgulhoso
O que é certo é que, como Terim referiu na véspera do jogo, "ninguém irá esquecer" o que a Turquia atingiu neste Europeu. "Conseguimos algo que a Turquia não conseguia há 70 ou 80 anos. Os jogadores não se devem sentir mal, porque se é verdade que perdemos e fomos eliminados, este é o nosso 47º dia de trabalho consecutivo enquanto muitos outros estão de férias há muito tempo. Estiveram aqui a servir o país e disse-lhes que estava muito orgulhoso pelo que fizeram. Além disso, desejei-lhes toda a sorte do Mundo para o futuro", afirmou Terim.

Esperança
Acautelar o futuro é, de facto, importante, já que da última vez que a Turquia chegou às meias-finais de uma grande competição - Campeonato do Mundo de 2002 - falhou a presença na fase final do Europeu seguinte. No entanto, Terim acredita que desta vez vai ser diferente: "Acredito que vai ser diferente, tem de ser diferente. O futebol é muito importante na Turquia, tal como em todo o Mundo, mas o nosso país tem 70 milhões de habitantes e todos os seus corações estavam com estes jogadores dentro de campo e sentir isso é muito importante. É por isso que acho que a Turquia tem sempre de estar presente nas fases finais. Pode ser-se primeiro ou último, mas o importante é estar lá. Espero que, no futuro, a Turquia esteja em mais Campeonatos do Mundo e da Europa".

(Fonte: UEFA)

Selecção turca orgulhosa da sua caminhada no Euro


A Turquia mostrou-se orgulhosa, apesar da derrota por 3-2 frente à Alemanha ter terminado com o sonho de chegar à final do EURO 2008. "Perdemos, mas fomos a melhor equipa", confessou Uğur Boral.

"Sinto-me orgulhoso"
Não obstante ter estado muito afectada por lesões e castigos, a equipa de Fatih Terim assumiu o controlo do jogo frente à Alemanha, mas não resistiu ao golo de Philipp Lahm, no último minuto, em Basileia. O extremo do Fenerbahçe SK, Uğur, que inaugurou o marcador para a Turquia, foi o porta-voz da equipa: "Perdemos, mas fomos a melhor equipa em campo", acrescentando: "Sinto-me muito orgulhoso por ter feito parte de uma selecção tão bem-sucedida. O povo turco deve aplaudir estes jogadores pelo que fizeram".

Despedida
Rüştü Reçber não podia estar mais de acordo. "Tenho orgulho em cada um dos meus colegas de equipa", disse. "Toda a gente na Turquia os deve apoiar porque esta equipa pode atingir resultados ainda melhores no futuro". A presença na meia-final significou para o guarda-redes a sua 118ª internacionalização, mas também a última com a camisola da Turquia. Apesar de o seu falhanço ter permitido a Miroslav Klose cabecear para o segundo golo germânico, Rüştü terminou a carreira internacional sem arrependimentos. "Acabo a minha carreira ao serviço da selecção turca, a qual servi com orgulho, glória e honra durante 14 anos", disse. "Gostaria de agradecer a todos os que me ajudaram".

"Aventura fantástica"
O colega de equipa de Rüştü no Beşiktaş JK, Gökhan Zan, estava igualmente desgostoso e desiludido após o apito final. "Jogámos de forma muito apaixonada, fomos bravos e corajosos", disse. "Criou-se um espírito de equipa muito forte entre os jogadores que alinharam e os que estiveram ausentes. Qualquer pessoa se pode alegrar por ter amigos como estes e com tamanho espírito de equipa. Vivemos uma aventura fantástica nos últimos 45, 50 dias. Nunca nos aborrecemos. Queríamos dar mais um passo na nossa caminhada, mas infelizmente não foi possível. Mas acredito que toda a gente na Turquia e também na Europa está orgulhosa de nós".

Exibições discutidas
"Não merecíamos perder", acrescentou. "Se olharmos para as estatísticas, constatamos que tivemos mais posse de bola e mais remates à baliza, mas isso não nos serviu de muito. Estou seguro de que as pessoas na Europa vão falar das nossas exibições durante algum tempo. Fomos uma equipa fantástica e jogámos muito bem. Agora, resta-nos concentrar no futuro. Por um lado estamos felizes, por outro, tristes; felizes porque alcançámos uma meia-final de um Euro pela primeira vez, tristes porque perdemos um desafio em que jogámos tão bem".

Nada inferiores
O médio Ayhan Akman, do Galatasaray AS, realizou o seu primeiro jogo no EURO 2008 frente à Alemanha, tornando-se no 22º dos 23 jogadores convocados por Terim a jogar neste torneio e estava orgulhoso por a Turquia ter deixado tão impressionante cartão de visita antes da fase de qulificação para o Mundial 2010. "Esta noite, provámos que não nos devemos sentir inferiores a outras selecções que estiveram presentes nesta prova", afirmou. "Queríamos chegar à final e vencer, mas apesar de termos sido a melhor equipa, não conseguimos atingir esse objectivo".

(Fonte: UEFA)

Terminou o sonho turco


A Alemanha é a primeira finalista do EURO 2008 depois de ter batido a Turquia, por 3-2, na meia-final disputada em Basileia, no St. Jakob-Park. Os Turcos adiantaram-se no marcador, por intermédio de Uğur Boral, mas Bastian Schweinsteiger e Miroslav Klose operaram a reviravolta para os Germânicos. Semih Şentürk ainda fez o 2-2 a quatro minutos dos 90, mas Lahm confirmou a vitória alemã mesmo ao cair do pano.

Panoramas diferentes
O seleccionador germânico, Joachim Löw, apostou na mesma equipa que afastou Portugal nos quartos-de-final, ao passo que o treinador dos turcos, Fatih Terim, apresentou algumas alterações em relação ao seu habitual “onze” titular, já que se debateu com inúmeros castigos e lesões.

Turquia perigosa
Como seria de esperar, os Alemães entraram decididos em controlar as operações desde o apito inicial. Ainda assim, os Turcos foram os primeiros a criar perigo, primeiro com um remate de Kazım Kazım, aos seis minutos, e depois com um disparo de Hamit Altıntop, que obrigou o guarda-redes Jens Lehmann a aplicar-se para negar o primeiro golo do jogo. Aos 12 minutos, a Turquia esteve muito perto de marcar, após uma bola perdida no lado direito. Kazım Kazım rematou de primeira, após cruzamento de Ayhan Akman, com a bola a embater com estrondo na barra da baliza germânica.

Surpresa geral
Depois de muito ameaçar, a Turquia chegou mesmo ao golo aos 22 minutos, por intermédio de Uğur Boral. O jogador turco aproveitou da melhor forma um cruzamento do lado direito, que ainda embateu na trave. O esférico acabou por sobrar para Boral, que rematou de pronto. Lehmann ainda tocou na bola antes de esta se anichar no fundo das redes, num lance em que não ficou isento de culpas.

Não baixar os braços
Ainda assim, a Alemanha respondeu da melhor forma e chegou à igualdade quatro minutos depois. Lukas Podolski cruzou do lado esquerdo e Bastian Schweinsteiger desviou com êxito para fazer o 1-1. A Turquia não baixou os braços e continuou a criar perigo junto da área alemã. A equipa comandada por Terim ia trocando muito bem a bola no meio-campo e, na altura certa, desenhava lances de apuro para a defensiva contrária. A Alemanha limitava-se a explorar o contra-ataque e, aos 34 minutos, Podolski poderia ter colocado a sua equipa em vantagem, com um remate forte, do lado esquerdo. Contudo, a bola saiu por cima.

Jogo pausado
Após o descanso, Löw apostou na entrada de Torsten Frings para o lugar de Simon Rolfes, que se havia lesionado ainda no primeiro tempo. O conjunto germânico entrou mais afoito na segunda parte, mas a qualidade de jogo caiu relativamente aos primeiros 45 minutos, que foram bastante intensos. Ambas as equipas revelaram mais cautelas após o reatamento e não arriscaram tanto. Aos 73 minutos os alemães poderiam ter desfeito a igualdade, mas o remate de Thomas Hitzlsperger, fora da área, passou a centímetros do alvo, numa das raras ocasiões do segundo tempo.

Emoção no final
Aos 79 minutos, os Alemães conseguiram finalmente colocar-se na frente do marcador, após um cruzamento do lado esquerdo. Miroslav Klose saltou mais alto do que os opositores e, de cabeça, assinou o 2-1 para delírio dos adeptos alemães presentes no St. Jakob-Park. Ainda assim, os Turcos, à imagem do que já tinham feito anteriormente no torneio, chegaram ao empate nos minutos finais. Sabri Sarıoğlu cruzou do lado direito e Semih Şentürk, ao primeiro poste, desviou com sucesso. Estavam decorridos 86 minutos. Só que desta vez coube aos Germânicos operar a reviravolta em cima do minuto 90, graças a um golo de Philipp Lahm.

(Fonte: UEFA)

26 junho 2008

Alemanha e Turquia apelam à amizade e entendimento

Os dois jornais com maior tiragem na Alemanha e na Turquia, o “Bild” e o “Hurriyet”, respectivamente, apelaram aos leitores na edição de ontem para que o encontro entre as duas selecções nas meias-finais do Europeu seja celebrado com amizade. “Não sabemos que equipa vai ganhar hoje [quarta-feira]. Mas nós, os chefes de redacção do ‘Hurriyet’ e do ‘Bild’ sabemos como se devem chamar os vencedores: amizade e bom entendimento”, escrevem Kai Diekmann, do “Bild”, e Ertuğrul Özkök, do “Hurriyet”. Os dois jornalistas acrescentam que a amizade entre a Alemanha e a Turquia deverá estar em primeiro lugar, independentemente da equipa que conseguir marcar presença na final do Europeu. “No Mundial de 2006 assistimos a cenas maravilhosas na Alemanha: os Turcos, envoltos em bandeiras turcas e alemãs, celebrando a equipa da Alemanha. Desejamos que essas imagens se repitam hoje [quarta-feira]: os Alemães e os Turcos a festejarem juntos”, lê-se ainda no texto conjunto. Os jornais realçam ainda o facto de cerca de 2,4 milhões de pessoas originárias da Turquia viverem na Alemanha e de mais de três milhões de alemães escolherem passar as suas férias anualmente na Turquia.

(Fonte: O Jogo)

24 junho 2008

Turcos indomáveis fazem milagres


Os adeptos turcos começam a acreditar em milagres. Sorteada no grupo de Portugal, um dos favoritos ao título à partida para o torneio, da experiente República Checa e da co-anfitriã Suíça, poucos apostariam na selecção comandada por Fatih Terim como uma das surpresas da prova.
Mas depois de três recuperações consecutivas no marcador, a seguinte sempre mais impressionante do que a anterior, a Turquia está entre as quatro melhores selecções da Europa e a um jogo apenas de atingir a sua primeira final de uma grande competição, apesar de se ter estreado no EURO 2008 com uma derrota por 2-0, frente a Portugal. De seguida, deu a volta ao encontro com a Suíça, depois de estar a perder por 1-0, graças a golos de Semih Şentürk e Arda Turan na segunda parte. Frente à República Checa, recuperou de uma situação ainda mais delicada e acabou por vencer 3-2, quando perdia por 2-0 a 15 minutos do apito final, garantindo assim a passagem aos quartos-de-final. Nesta fase da prova, frente à Croácia, o nulo manteve-se até aos últimos instantes do prolongamento, altura em que a Turquia se viu em desvantagem. No entanto, os Turcos responderam com um golo de Semih no último remate do jogo e acabaram por vencer por 3-1 no desempate por grandes penalidades. Mas com lesões e castigos pelo meio a missão da Turquia nas meias-finais, frente à Alemanha, deverá ser ainda mais complicada. Fatih Terim terá de apelar mais uma vez ao indomável espírito da sua equipa. Certamente não será fácil, como não o é qualquer milagre.

Registo em meias-finais

Esta é a estreia dos Turcos em meias-finais de um Campeonato da Europa. Contudo, estiveram presentes nas meias-finais do Mundial de 2002, onde perderam com o Brasil.

Momento-chave
O golo do empate apontado pelo suplente Semih frente à Suíça, ao que se seguiu o tento de Arda Turan que deu a vitória nesse encontro. O triunfo transfigurou a participação da Turquia na prova e deu o mote para recuperações ainda mais notáveis frente à República Checa e à Croácia.

Jogador em destaque
Embora não vá actuar nas meias-finais, devido a lesão, o jogador mais influente tem de ser o ponta-de-lança Nihat Kahveci, que assumiu a braçadeira de capitão da equipa após o afastamento do lesionado Emre Belözoğlu. Algo discreto frente a Portugal, no primeiro jogo, o atacante do Villarreal CF não começou bem o EURO 2008, mas a sua sorte mudou e de forma contundente. Os golos decisivos marcados frente à República Checa, no último jogo da fase de grupos, carimbaram a passagem dos Turcos aos quartos-de-final e o seu trabalho incansável durante os 117 minutos que esteve em campo no jogo ante os Croatas, até sair lesionado, comprovam a sua importância.

Lesões e castigos
Quatro jogadores estão suspensos: Volkan Demirel cumpre o segundo de dois jogos de castigo, enquanto o defesa Emre Aşık e os médios Tuncay Şanlı e Arda Turan também vão falhar o embate com a Alemanha depois de terem visto o segundo cartão amarelo na prova, frente à Croácia. Após a indisponibilidade de Emre Güngör (já ausente da prova), a lesão sofrida por Nihat na partida com a Croácia juntou mais um nome à lista de lesionados, da qual já constavam Servet Çetin (anca e joelho) e Tümer Metin (virilha). Todos eles estão em risco de falhar o desafio das meias-finais.

Tácticas
Depois de apostar no 4-2-3-1, com Mehmet Aurélio e Mehmet Topal a ocuparem o papel de médios de contenção, Fatih Terim alterou o sistema frente à República Checa e mudou para uma frente de ataque com dois jogadores, Semih e Nihat. Mas esta alteração não pareceu nunca produzir os efeitos desejados e o seleccionador turco optou por trocar Semih por Sabri Sarıoğlu, utilizado como médio-direito na segunda parte, regressando assim à táctica inicial. O crescente número de lesões e castigos têm, também, condicionado os planos de Terim. Ayhan Akman é o único jogador de campo que ainda não actuou qualquer minuto neste EURO e, para o embate com a Alemanha, Terim tem apenas neste momento 12 jogadores de campo em perfeitas condições físicas e disponíveis para o encontro, pelo que deverá apostar em Gökdeniz Karadeniz e Kazım Kazım no meio-campo.

Registo no desempate por penalties
A vitória nos penalties sobre a Croácia foi o primeiro desempate deste género que a Turquia disputou numa grande competição.

Reacções• "Nada é impossível. Apenas demora algum tempo a acontecer". - O seleccionador Fatih Terim transmitindo uma mensagem positiva à sua equipa.
• "Agora percebo por que razão nos chamam de 'Turcos Loucos'". - Emre Aşık, referindo-se ao título de um livro de enorme êxito com o mesmo nome.
• "Vai ser um bom jogo para os adeptos neutros assistirem". - Kazım Kazım na antevisão do encontro dos quartos-de-final com a Croácia, o que acabou por se confirmar.

O que escreveu a imprensa• "Vamos para Viena" - título do Hürriyet, depois da vitória por 3-2 sobre a República Checa, que selou a passagem aos quartos-de-final do Ernst-Happel-Stadion, frente à Croácoa.
• "Obrigado pela ajuda, Čech" - título do Akşam, referindo-se ao erro do guarda-redes da República Checa que possibilitou o golo do empate à Turquia.
• "Quem tem mais coração que nós?" - título do Milliyet, elogiando a determinação turca em lutar até ao último minuto frente à Croácia.
• "A Turquia não vos esquecerá!" - título do Sabah, na manhã seguinte à vitória nos quartos-de-final.

(Fonte: UEFA)

Turquia à imagem de Terim


O seleccionador turco, Fatih Terim, acredita que a sua paixão e fé inabalável nas capacidades dos seus pupilos é a principal razão pela qual a Turquia conseguiu superar tantas adversidades e atingir as meias-finais do EURO 2008. "Penso que esta equipa reflecte o meu carácter", afirma Fatih Terim. "Temos uma mistura de fé, desejo, técnica, cultura táctica e bravura. Talvez não tenhamos jogadores conhecidos nos quatro cantos do mundo, mas temos jogadores que mostraram a sua inteligência e a sua vontade. Para mim isto é muito importante - os jogadores têm de suar a camisola".
Provavelmente o treinador do futebol turco que menos esconde as suas emoções em campo, Terim demonstra durante os encontros o mesmo nível de empenho que exige aos seus jogadores. "Levo sempre duas ou três camisas para cada jogo", revelou o técnico de 54 anos. "Quero ver o jogo descontraído, mas muitas vezes vejo-me obrigado a intervir. Concentro-me mesmo muito nos nossos jogos e é por essa razão que no final das partidas a minha camisa está encharcada em suor. E não se esqueçam que a zona entre o banco de suplentes e a linha lateral no Ernst-Happel-Stadion é muito longa".
Contudo, o antigo jogador e treinador do Galatasaray AS consegue manter a cabeça fria junto ao relvado. E tal foi vital na miraculosa recuperação da Turquia no prolongamento do jogo dos quartos-de-final contra a Croácia. "Os jogos começam e acabam com o apito do árbitro", lembrou Terim, que também já orientou o AC Milan e a ACF Fiorentina em Itália. "Às vezes uma equipa marca no primeiro minuto e noutras consegue marcar nos derradeiros instantes. Mas os golos de que se fala sempre mais são os marcados nos minutos finais. Muitos dos meus jogadores deitaram-se no chão após o golo da Croácia. Contudo, disse ao Arda Turan para ir buscar a bola ao fundo da baliza e disse aos nossos defesas para se levantarem e irem para o ataque, apesar de só faltar um minuto. E, como se viu, ainda era possível".
Antes do início do torneio, Terim afirmou que a sua equipa estava na Áustria e Suíça para lembrar às pessoas o seu valor. Agora, acredita que deram um passo mais além. "Ninguém nos vai esquecer", garantiu. Isto apesar de considerar que a Turquia tem sido a selecção mais infeliz do torneio, dados os problemas com castigos e lesões com que se tem deparado. E o seleccionador turco mostra-se convicto que as exibições no EURO 2008 são apenas o início para esta nova geração de jogadores. "Esta equipa tem muita capacidade e estou certo que vão voltar a brilhar no Campeonato do Mundo de 2010 e no EURO 2012, juntamente com outros jogadores que estão agora a surgir", acrescentou.
O encontro das meias-finais contra a Alemanha, quarta-feira, no St. Jakob-Park, em Basileia, colocará a Turquia perante a sua mais "séria" ameaça até ao momento. "É um adversário muito forte", admitiu Terim. "É o jogo mais importante para nós na história dos Campeonatos da Europa. Mas a Alemanha está habituada a disputar este tipo de jogos em grandes competições. Temos muitas baixas na equipa, enquanto eles não têm nenhuma. Mas podem ter a certeza que os nossos jogadores não se vão dar por satisfeitos apenas por já terem chegado até aqui. Quer ganhem ou percam, vão dar o seu melhor. Não temos medo da Alemanha, mas temos respeito".

(Fonte: UEFA)

21 junho 2008

A Turquia está nas meias-finais do Euro 2008


A Turquia vai defrontar a Alemanha nos quartos-de-final do EURO 2008 após ter batido a Croácia por 3-1 no desempate por grandes penalidades, fruto do empate a uma bola registado nos 120 minutos regulamentares. O suplente Ivan Klasnić parecia ter decidido o encontro quando deu vantagem aos Croatas aos 119 minutos, mas Semih Şentürk empatou nos descontos do prolongamento, antes dos falhanços croatas nos penalties decidirem a emocionante partida do Ernst-Happel-Stadion, em Viena.
As duas equipas encaixaram perfeitamente uma na noutra desde o apito inicial, com o primeiro remate digno desse nome a surgir no minuto cinco, quando o Turco Hamit Altıntop tentou a sua sorte de fora da área, mas a bola saiu ao lado. A Croácia respondeu praticamente na jogada seguinte, mas a excelente incursão de Ivan Rakitić pelo lado esquerdo, cuminada com um passe a pedir o toque final de Darijo Srna, foi providencialmente cortada para canto por Hakan Balta. Apesar desses dois lances, o equilíbrio continuou a ser a nota dominante, tornando-se cada vez mais evidente que teria de ser o talento individual a fazer a diferença sobre o colectivo.
E foi, porventura, o jogador mais talentoso em campo a estar na origem da maior ocasião de golo do primeiro tempo, estavam decorridos 19 minutos. Luka Modrić, o "culpado" do pico de emoção em Viena, esgueirou-se pelo lado direito da área turca, antes de cruzar na perfeição para Ivica Olić, que fez o mais difícil, ao acertar na barra quando estava a pouco mais de um metro da linha de golo. O "excesso" de pontaria do avançado croata encerrou quase por completo o capítulo perigo até ao intervalo, excepção feita a um potente remate de longa distância assinado por Mehmet Topal, que chegou a assustar o guarda-redes croata Stipe Pletikosa.
Quem esperava uma segunda parte mais movimentada não demorou muito tempo para perceber que o cenários dos primeiros 45 minutos estava destinado a imperar. O guardião turco Rüştü Reçber ainda proporcionou um momento de emoção aos 50 minutos, quando uma sua hesitação quase resultou num golo de Olić, mas Modrić parecia mesmo ser o único com capacidade para "agitar as águas". A sua deliciosa assistência para Niko Kranjčar, aos 57 minutos, foi concluída com um remate fraco e à figura do guardião Rüştü Reçber.
Revelando quase sempre maior capacidade para chegar à baliza contrária, a Croácia pode queixar-se da falta de inspiração de Rakitić, que, aos 70 minutos, tabelou bem com Olić, antes de disparar muito por cima da barra quando estavam em boa posição. E se a partida já estava "morna", o avançar do cronómetro foi refreando ainda mais o ímpeto das duas equipas, face ao receio de sofrer um potencialmente fatal golo. No entanto, a Croácia esteve prestes a resolver a questão a seis minutos dos 90, quando Rüştü fez a defesa da noite, em resposta a um livre directo cobrado com precisão por Srna. E quando Olić voltou a não conseguir bater Rüştü em cima do minuto 90, na sequência de mais um cruzamento mortífero de Modrić, já não havia forma de evitar o prolongamento.
Tuncay Şanlı obrigou Pletikosa a mostrar toda a sua atenção aos 95 minutos, cinco antes de Semih Şentürk rematar ligeiramente por cima da barra. Os jogadores croatas acusaram mais cedo o cansaço e começaram a sentir dificuldades para fazer face ao domínio turco a meio-campo, com Tuncay a errar por muito pouco o alvo aos 102 minutos. O suplente Ivan Klasnić parecia destinado a ser o herói da partida quando fez o 1-0 para a Croácia aos 119 minutos, cabeceando para golo após um centro de Modrić, mas Semih Şentürk respondeu já em tempo de compensação com um excelente remate de pé esquerdo, dando origem à lotaria dos penalties. E quis o destino que fosse Modrić a tentar e falhar a primeira conversão, atirando para fora, antes de Rakitić fazer o mesmo e Mladen Petrić permitir a defesa de Rüştü. Estavam lançadas a festa turca e o desespero croata.

(Fonte: UEFA)

19 junho 2008

Famosa cantora transexual turca acusada de desvirtuar o Exército


Um tribunal de Istambul começou a julgar nesta quarta-feira Bülent Ersoy, a cantora transexual turca acusada de ter causado danos ao prestígio do Exército por ter afirmado na televisão que se tivesse tido um filho, nunca o teria deixado cumprir o serviço militar.
"Se tivesse tido um filho, imaginam se eu o levaria ao túmulo porque alguém sentado na outra ponta de uma mesa diz: 'deve fazer isso'?", declarou a artista no final de Fevereiro, em plena operação do Exército turco contra as bases dos rebeldes curdos no norte do Iraque.
"Não sou mãe e nunca serei. Mas sou um ser humano e levá-los ao túmulo...", prosseguiu a cantora num programa de entretenimento, antes de classificar de "cliché" enganoso o lema "os mártires são imortais, a pátria é indivisível" entoado na Turquia nos funerais dos militares.
Bulent Ersoy, de 56 anos, pode ser condenada a até três anos de prisão, com base no artigo 318 do código penal turco, que estipula o crime de "dissuadir do serviço militar através da imprensa".
Bülent Ersoy é uma cantora muito famosa e respeitada na Turquia.

(Fonte: AFP)

Volkan Demirel suspenso por dois jogos


A UEFA castigou Volkan Demirel com dois jogos de suspensão na sequência da expulsão do guarda-redes frente à República Checa no final da reviravolta épica que colocou a Turquia nos quartos-de-final do Euro 2008.
A Turquia perde assim o seu guarda-redes para o jogo dos quartos-de-final com a Croácia, bem como para a meia-final, se a equipa se apurar. O lugar na baliza deve ser ocupado pelo veterano Rüştü Reçber.
A UEFA aplicou ainda uma multa de 27190 euros à Federação turca, por conduta imprópria dos adeptos, jogadores e "staff" da equipa.

(Fonte: Mais Futebol)

Duas pessoas sofreram um enfarte durante o último jogo da selecção turca

O cardiologista Kaan Kıralı, do Hospital Koşuyolu, em Istambul, recomendou às pessoas com problemas cardíacos que não acompanhem os jogos da selecção turca no Euro 2008, informou nesta quarta-feira o jornal "Sabah". O doutor Kıralı fez essa recomendação em virtude de duas pessoas terem morrido de enfarte durante o jogo entre a República Checa e a Tuquia que esta venceu por 3-2. "Àqueles que não conseguem controlar a emoção, recomendo que procurem outra forma de saber o resultado, sem terem de acompanhar o jogo na televisão", disse o cardiologista turco. Em todo caso, para as pessoas com problemas cardíacos que vão ver o jogo apesar de todas as contra-indicações, o doutor Kıralı recomendou que acompanhem o jogo com um comprimido contra o enfarte sob a língua, para que possam tomá-lo imediatamente caso haja uma crise.

(Fonte: Globo)

18 junho 2008

Erdoğan quis a camisola de Nihat Kahveci

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdoğan, mal terminou o jogo da Turquia contra a República Checa fez saber que queria a camisola do jogador Nihat Kahveci e recebeu-a depois das mãos do Ministro do Desporto.

Espírito turco recompensado

Num dos mais dramáticos finais de jogos de Campeonatos da Europa, a Turquia recuperou de uma desvantagem de dois golos e venceu a República Checa, por 3-2, garantindo a qualificação para os quartos-de-final de Viena ante a Croácia.
Reis das reviravoltasFoi a segunda vez que a selecção turca teve de recuperar de um resultado negativo neste torneio e, após 18 jogos, é a única equipa que se pode gabar desse feito. As estatísticas podem dizer muito sobre o evoluir de um jogo de futebol, mas a crença e a coragem são muito difíceis de medir numa formação que nunca se dá como vencida. E enquanto os checos vão continuar a perguntar como foi possível desperdiçar uma vantagem de dois golos, o registo turco de cinco remates nos últimos 15 minutos - incluindo três à baliza e, claro, dois golos - mostra quem é que acabou o jogo mais forte.
Para tornar o dramatismo ainda maior, a Turquia terminou o jogo com o avançado Tuncay Şanlı, que fez mais remates do que qualquer outro jogador, a assumir a posição de guarda-redes, depois da expulsão de Volkan Demirel - apenas o segundo cartão vermelho deste EURO 2008.
A questão de quem se juntaria a Portugal no lote de apurados do Grupo A parecia estar definida ao minuto 74, quando a República Checa vencia por 2-0, graças a golos de Jan Koller e Jaroslav Plašil. No entanto, o tento de Arda Turan, após um cruzamento desviado de Hamit Altintop, lançou a incerteza no jogo de Genebra. Foi a primeira de três assistências para golo feitas pelo lateral-direito turco, muito embora no segundo lance uma intervenção falhada de Petr Čech tenha sido fundamental para o empate, obtido por Nihat Kahveci. E apenas dois minutos depois, o avançado do Villarreal CF isolou-se após excelente passe de Hamit e castigou ainda mais Čech com um golo simplesmente sensacional.
Os checos tinham dominado a primeira parte, conseguindo dez remates, dois dos quais à baliza. A estratégia de cruzar bolas para o gigante Koller deu frutos e a Turquia, apesar de ter tido mais tempo de posse de bola, conseguiu apenas metade dos remates: cinco, um dos quais à baliza de Čech.
A entrada, ao intervalo, do extremo-direito Sabri Sarıoğlu animou o ataque turco e foi a equipa de Fatih Terim que passou a criar mais perigo pelos flancos. No entanto, foram os checos a ampliar a vantagem, contra a corrente de jogo, mas numa análise final não se pode dizer que a vitória lhes tenha sido roubada. Afinal, a Turquia acabou o jogo com mais posse de bola (57 contra 43 por cento), mais cantos (seis contra dois), mais remates (8/5 bem enquadrados e 16/14 para fora) e com os jogadores que mais correram e melhor passaram. Arda foi quem correu mais - 11.34 quilómetros -, conseguindo ainda o melhor registo de passes bem-sucedidos, num total de 86 por cento, enquanto Hamit e o defesa esquerdo Hakan Balta se seguiram nestas duas categorias.

(Fonte: UEFA)

Rali da Turquia: Armindo Araújo em quinto do P-WRC

A odisseia turca acabou por terminar de forma satisfatória para Armindo Araújo, que no último dia conseguiu subir mais dois lugares e chegar à quinta posição, o que lhe permite somar mais quatro pontos para o campeonato. Esse é sem dúvida o facto mais positivo, num rali marcado por vários problemas, que impediram o piloto da Mitsubishi de lutar pelos lugares do pódio.
A meta traçada para o último dia do Rali da Turquia consistia em tentar ganhar posições. Só que logo na primeira especial voltaram a surgir problemas com os amortecedores. "Queríamos recuperar lugares, mas logo na fase inicial do troço grande começámos a ter problemas com os amortecedores e tivemos que dosear o andamento. Este é um campeonato cheio de imprevistos e é muito importante terminar as corridas. Desde o momento em que percebemos que não tínhamos condições para discutir a vitória, optámos por não cometer erros infantis e conseguimos chegar ao top five e somar quatro importantes pontos", referiu no final.
O balanço final acaba por ser positivo só pelos pontos, que permitiram que Armindo Araújo subisse ao quarto lugar do campeonato. "Sinto que era possível ter feito mais, mas os problemas impediram-nos de imprimir o nosso ritmo. Nunca baixámos os braços e penso que fizemos um resultado positivo, que me permite ter a meio do campeonato mais pontos do que em toda a temporada passada", acrescentou.
O piloto da Mitsubishi cumpriu apenas três das seis provas do seu calendário, pelo que está em boa posição de lutar pelos primeiros lugares do campeonato. "Temos 12 pontos e agora vamos trabalhar durante estes dois meses para chegarmos bem preparados à Nova Zelândia, prova de que gosto bastante e onde no ano passado comandei de forma algo tranquila até perder muito tempo com problemas com um diferencial. Espero este ano poder lutar de novo pela vitória", disse a finalizar Armindo Araújo.
Quanto à geral, a Ford dominou a prova com Mikko Hirvonen a vencer à frente do seu colega de equipa Jari Matti Latvala, que numa primeira fase atrasaram-se deliberadamente para que fosse Sebastien Loeb a limpar os troços. O piloto da Citroen fechou as contas do pódio com o terceiro lugar final e perdeu a liderança do mundial, ficando a três pontos de Hirvonen.

Classificação geral do Rali da Turquia: 1º Mikko Hirvonen - Ford Focus WRC08 - 4h42m07,1s 2º Jari Matti Latvala - Ford Focus WRC08 a 7,9s 3º Sebastien Loeb - Citroen C4 WRC a 25,7s 4º Dani Sordo - Citroen C4 WRC a 2m25,6s 5º Henning Solberg - Ford Focus WRC08 a 2m33,7s 6º Petter Solberg - Subaru Impreza WRC2008 a 2m48,2s 7º Matthew Wilson - Ford Focus WRC08 a 4m24,2s 8º Conrad Rautenbach - Citroen C4 WRC a 7m46,7s 9º Federico Villagra - Ford Focus WRC07 a 9m34,1s 10º Barry Clark - Ford Focus WRC07 a 14m48,8s

Classificação Final do PWRC: 1º Andreas Aigner/Klaus Wicha - Mitsubishi Lancer Evo IX com 5h02m21,6s 2º Patrik Sandell/Emil Axelsson - Peugeot 207 S2000 a 48,7s 3º Mirco Baldacci/Giovanni Agnese - Mitsubishi Lancer Evo IX a 3m01,0s ... 5º Armindo Araújo/Miguel Ramalho - Mitsubishi Lancer Evo IX a 6m23,6s

(Fonte: Autoportal)

Turquia espera que a França seja "justa" no processo de adesão à UE

O ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Ali Babacan, disse acreditar que a presidência francesa da União Europeia (UE), que começa em Junho, será "justa e imparcial" com o processo de adesão da Turquia à UE, que esta terça-feira avançou com a abertura de dois novos capítulos.
Babacan deu ontem uma conferência de imprensa conjunta com o actual presidente rotativo da UE, o Esloveno Dimitrij Rupel, após a realização de um Conselho de Associação no qual se decidiu abrir negociações nos capítulos da legislação empresarial e propriedade intelectual.
O presidente francês, Nicolas Sarkozy, que substituirá o esloveno a 1 de Julho na presidência rotativa da UE, é totalmente contrário à entrada da Turquia na União.
Babacan, por isso, espera que "a presidência francesa seja justa, imparcial e transparente, como foi garantido em diversas ocasiões", e que o seu processo de adesão, iniciado em 2005, avance durante este período.
Por seu lado, Rupel lembrou aos Turcos que a União Europeia "está longe de ser uma organização simples", numa referência à recusa dos Irlandeses em aprovar o Tratado de Lisboa, mas insistiu que o desejo de Bruxelas é de que a Turquia "entre no bloco assim que seja possível".
A rejeição em referendo do Tratado de Lisboa reavivou os receios dos países que desejam entrar na UE de que os processos de alargamento do bloco sejam paralisados.
Até à data, foram abertos 10 dos 35 capítulos sobre as áreas nas quais é necessário adaptar a legislação nacional turca à comunitária. No entanto, em 2006, a UE congelou as negociações em oito capítulos face à recusa da Turquia em garantir aos navios e aviões greco-cipriotas acesso aos respectivos portos e aeroportos.

(Fonte: Diário Digital)

A vitória inesquecível da Turquia


O Campeonato Europeu de Futebol viveu um daqueles momentos que não passa pela cabeça de ninguém, um jogo impróprio para cardíacos, um daqueles momentos de futebol que deixa meio estádio num pranto e a outra metade com uma vontade incontrolável de saltar para a relva e celebrar com os seus heróis.
“Os detalhes são a única coisa que interessa”, disse um dia Oscar Wilde. O Euro ganhou o dia.
O Turquia-República Checa foi morno. O Turquia-República Checa foi o jogo mais quente e entusiasmante do mundo. Os Checos mereciam ter ganho ou não havia como tirar esta vitória aos Turcos? Os melhores guarda-redes do mundo também são humanos ou será que os jogadores é que têm o poder de se transformarem em deuses?
Quando aos 34 minutos o jogador mais alto do Europeu, no alto dos seus 2,02 metros, marcou o primeiro golo da noite, o encontro era apenas isso. Genebra assistia a um jogo frio, sem técnica e onde o único rasgo individual era o efeito centímetros de um jogador que, perto dos Turcos liliputianos, parecia um Gulliver mandão.
No preciso momento em que Grygera recebeu a bola no corredor direito e, lesto, avançou no terreno, percebeu-se que só havia uma coisa a fazer. Faz parte dos manuais. Sempre que uma equipa tiver no seu plantel o jogador mais alto de um torneio e sempre que esse jogador estiver em campo e a ganhar todas as bolas que há para ganhar, é na direcção dele que o jogo tem que continuar a evoluir. E assim foi. O centro nem sequer saiu muito tenso do pé do lateral-direito, mas a bola foi ter direitinha à cabeça rapada. Gunkor e Cetin estavam lá. Era como se não estivessem.
Mas essa história estava ainda no prefácio. As surpresas, os momentos de glória e de desespero estavam todos guardados para uma segunda parte que ficará na história da competição pelos bons e pelos maus momentos – tudo depende da perspectiva. Começou em Fatih Terim, que, sem nada a perder, lançou Sabri e Kazim Kazim para tentar aumentar as probabilidades lá na frente.
A espaços, parecia consegui-lo. A espaços, eram os Checos que queriam mais. Era Koller, que só não marcou porque não tem os pés tão calibrados como a cabeça. Era Plasil, que passou por entre a chuva para gelar metade do estádio (a bola viajou da direita para a zona Koller, mas este encolheu-se e deixou para a segunda vaga). Faltava sensivelmente meia hora para o jogo acabar. E apenas os Turcos acreditavam que o milagre dos golos pudesse bater-lhes à porta novamente.
Como tinha acontecido no Suíça-Turquia – como tem, aliás, acontecido um pouco por todo o Europeu –, voltou a chover. Como tinha acontecido no jogo anterior, Arda Turam voltou a marcar um golo de emergência, transmitindo aos adeptos um sentimento de esperança que se propagou aos seus colegas de equipa. A Turquia estava agora em todo o lado. A República Checa, encolhida, esperava pelo apito final. No centro de Dublin está uma frase do sindicalista Jim Larkin cravada numa pedra. “Os grandes parecem grandes porque estamos de joelhos. Levantemo-nos”.
Entretanto, a Turquia já se reerguera. Os Checos vão à frente? Já não. Centro largo da direita. Esta é de Petr Cech, um dos melhores guarda-redes do mundo. Não, é de Nihat Kahveci, um dos guerreiros da última investida turca. A bola escapou a Cech e quis cair aos pés de quem a merecia. Empate. Vamos estrear as grandes penalidades. Vai um Panenka? E porque não outro Nihat? Até então desesperado, o estádio enlouqueceu com um pontapé demolidor de fora da área. Festa digna de um verdadeiro campeão da Europa nas bancadas.
Pouco depois, Demirel foi expulso (por suposta agressão ao jogador mais alto do Europeu, que se despenhou). Tuncay pegou nas suas luvas, no seu escudo e esperou pelo inimigo. Se o duelo seguisse para penáltis, estaria lá um bravo turco para os deter.

(Fonte: Público)

17 junho 2008

Metro do Porto recebeu prémio em Istambul


O Metro do Porto recebeu na passada sexta-feira, dia 13, o Light Rail Award/2008, galardão atribuído pela União Internacional de Transportes Públicos (UITP) para distinguir a criatividade e o design dos sistemas de metro ligeiro de todo o mundo.
O prémio foi entregue numa cerimónia realizada em Istambul, Turquia, no encerramento de uma conferência internacional sobre metros ligeiros.
A empresa portuguesa foi representada pelo administrador-executivo Jorge Moreno Delgado.
O galardão, segundo fonte da Metro do Porto, distingue "a forma integrada como o projecto foi concebido e construído, assente em princípios de acessibilidade, design e informação aos clientes", bem como pela componente de comunicação.
A avaliação feita pelos responsáveis da UITP destaca a integração e renovação do território, através da harmonização entre centros históricos e meios urbanos modernos, bem como a arquitectura, o design e a identidade da rede e das estações.
Neste aspecto, é destacado o facto de a quase totalidade das 14 estações subterrâneas receberem luz solar directa, mesmo as que se encontram a mais de 25 metros de profundidade.
Na componente operacional, a UITP valorizou a sinalética e a qualidade da informação ao público, mas também a programação artística e cultural regular que está disponível na rede do Metro do Porto.
A capacidade para atrair novos públicos e novos clientes através de uma permanente adequação à procura em ocasiões especiais, como jogos de futebol ou concertos, foi também destacada.
Estas qualidades do Metro do Porto valeram-lhe a distinção, tendo sido escolhido entre mais de uma centena de sistemas de metro ligeiro de todo o mundo.
Com cinco anos e meio de actividade, o Metro do Porto possui cinco linhas, num total de 70 estações.
A mais recente extensão da rede ocorreu em meados de Maio, com a inauguração da estação D. João II, que passou a ser o final da Linha Amarela. Esta linha faz a ligação entre a Avenida da República, em Gaia, ao Hospital S. João, no Porto.
As restantes quatro linhas da rede têm um troço comum entre o Estádio do Dragão e a Trindade, seguindo depois para Matosinhos (Azul), Póvoa de Varzim (Vermelha), Maia (Verde) e Aeroporto Sá Carneiro (Violeta).
A UITP, sedeada em Bruxelas, tem mais de três mil membros em cerca de 100 países de todos os continentes.

(Fonte: Lusa/Visão)

16 junho 2008

Fatih Terim: "A Europa do futebol não vai esquecer esta Turquia"

O seleccionador da Turquia garantiu este Domingo que a Europa não vai esquecer tão cedo a sua equipa, depois da sensacional reviravolta no jogo com a República Checa (3-2) que abriu as portas dos quartos-de-final à Turquia.
"Envio uma mensagem ao país: saiam para a rua, vão festejar esta vitória, saboreiem o momento", começou por destacar o feliz treinador. "Disse depois da vitória sobre a Suíça que se iam recordar de nós. Volto a dizê-lo hoje. A Europa do futebol vai recordar-se desta equipa", acrescentou o moralizado técnico.
A Turquia esteve a perder por 0-2, em Genebra, mas virou o resultado com três golos nos últimos 15 minutos. "Durante a minha carreira sempre fui um lutador. Nunca baixei os braços, mesmo quando o resultado é desfavorável. Pelos vistos, os meus jogadores gostam de finais de jogos dramáticos", referiu ainda.
Volkan Demirel, guarda-redes da Turquia, foi expulso já no período de descontos depois de empurrar Koller, uma atitude reprovada por Terim. "Não aprovo o que ele fez. Ele tinha de aguentar os nervos. Ele empurrou o Koller e não posso estar de acordo com o que ele fez. O árbitro agiu bem", destacou o seleccionador turco.

Turquia está nos quartos-de-final


A Turquia apurou-se para os quartos-de-final do EURO 2008, ao vencer a República Checa por 3-2. Num jogo que começou nervoso e algo morno, os minutos finais foram verdadeiramente impróprios para cardíacos, com os Turcos a recuperarem sensacionalmente de uma desvantagem de 2-0. Nihat Kahveci foi o herói da partida.
As duas equipas começaram com um ritmo lento, com a ansiedade a tomar conta dos movimentos e a restringir a capacidade ofensiva de ambos os lados. O risco foi praticamente inexistente no primeiro quarto-de-hora. O minuto 16 trouxe os primeiros momentos de emoção, com dois remates de longa distância, um para cada equipa. Primeiro foi Tuncay Şanlı a disparar rente ao poste esquerdo da baliza de Petr Čech. Depois foi Marek Matějovský a obrigar Volkan Demirel a aplicar-se. Aos 22 foi a vez de Marek Jankulovski fugir pela esquerda e centrar para Libor Sionko, que de pronto serviu Jan Koller no meio, mas Servet Çetin cortou no último momento, evitando o golo checo.
Depois do início tenso e bastante táctico, as equipas começaram a abrir mais o seu jogo e a arriscar um pouco nesta fase, embora sem grande clarividência de parte a parte. Mas a República Checa era a melhor formação em campo, pelo que o golo acabou por surgir com naturalidade e pelo homem que estava a dar mais trabalho à defesa turca. Zdeněk Grygera fugiu pela direita e centrou com conta, peso e medida para a cabeça de Jan Koller, que fez o golo, apesar de Demirel ainda ter tocado na bola. Estava feito o primeiro da partida, obrigando a Turquia a subir no terreno. Mas a única coisa que aconteceu foi os checos passarem a ter mais espaço para contra-atacarem, com Koller a alvejar a baliza à mínima oportunidade. Não houve golos até ao intervalo, pelo que o destaque foi para a lesão de Matějovský aos 39 minutos, que obrigou à sua saída para entrada de David Jarolím.
No segundo tempo, Fatih Terim fez sair Semih Şentürk para a entrada de Sabri Sarıoğlu, e o futebol turco mudou por completo. A equipa começou a jogar pelas faixas laterais, em grande velocidade, e a criar problemas à defensiva checa. Aos 53 minutos, Tuncay Şanlı colocou o adversário em sentido, ao acorrer a um centro da esquerda e a cabecear para grande defesa de Čech. Nesta altura estava completamente lançada no ataque. Curiosamente, à passagem da hora de jogo, foi a República Checa a criar um dos melhores lances do jogo, com Koller a correr isolado quase 40 metros, mas a rematar ao lado quando tinha tudo para facturar. Um aviso que se converteria em golo no lance seguinte.
Sionko fugiu pela direita centrou para o segundo poste, onde apareceu Jaroslav Plašil a empurrar com o pé esquerdo para o 2-0. A Turquia, que entrara a todo o gás na etapa complementar, via-se praticamente arredada dos quartos-de-final, ainda com meia-hora para jogar. Em vez de serem os Turcos a reagir, a verdade é que o segundo tento virou a partida, com os Checos a aproximarem-se diversas vezes da baliza contrária com grande perigo. Aos 70 minutos, Jan Polák rematou ao poste esquerdo da baliza de Demirel, mas a emoção ainda não tinha terminado e, aos 74 minutos, Ardan Turan marcou o seu segundo golo na competição, o 2-1, com um remate do lado esquerdo da grande área, que relançou a esperança nas hostes turcas.
Os comandados de Terim lançaram-se numa avalancha ofensiva, com a defesa checa em grandes dificuldades para afastar os inúmeros cruzamentos contrários e o meio-campo a não segurar a bola para lançar contra-golpes. Aos 81 minutos, Servet Çetin falhou por centímetros o cabeceamento na pequena área, após centro da esquerda. Até que aos 87 surgiu o empate, quando poucos o esperavam, e devido a um erro da grande figura dos checos, Petr Čech. Hamit Altıntop centrou da direita, o guardião do Chelsea FC largou a bola e Nihat Kahveci empurrou para a baliza deserta, fazendo o 2-2. Caia o espectro das grandes penalidades nesta partida, mas Nihat acabaria por apurar a Turquia, ao fugir à marcação da defesa contrária, ficando isolado. O jogador não desperdiçou a oportunidade, ao minuto 89, e fez o 3-0.
Nos derradeiros momentos, a República Checa ainda pressionou, mas não conseguiu marcar, apesar da expulsão de Demirel aos 92 minutos, devido a um empurrão a Koller na grande área. Como o jogo estava parado não houve lugar à marcação de penalti, pelo que os turcos passaram aos quartos-de-final, onde vão defrontar a Croácia.

(Fonte: UEFA)

15 junho 2008

Hino da Selecção Turca (Euro 2008)

Turquia vai lutar pela sobrevivência no Euro frente à República Checa


Quando hoje as selecções da República Checa e da Turquia entrarem lado a lado em campo, no Estádio de Genebra, na Suíça, as duas equipas escorraçadas para segundo plano depois dos confrontos com Portugal vão querer evitar algo histórico. São ambas almas gémeas, com um destino traçado sob a mesma régua e esquadro.O drama vai estar lá, nos rostos dos jogadores. A vitória é a única salvação possível. Ou até não. Turquia e República Checa estão iguais em tudo: têm ambas três pontos no Grupo A, marcaram dois golos e sofreram três nos dois encontros já disputados. E caso o jogo acabe empatado, qualquer que seja o número de golos, Turcos e Checos vão disputar o segundo lugar através da marcação de grandes penalidades - o que seria a primeira vez na história dos campeonatos da Europa. Na verdade, a Turquia não estaria a equacionar este cenário caso o golo de Arda frente à Suíça não tivesse existido. Foi um tiro formidável, já nos descontos, que derrotou os Suíços por 2-1. Esta vitória permite aos Turcos empatar com a República Checa e levar o jogo a penáltis. Já os Checos têm a lamentar o golo de Quaresma, sofrido já no tempo de compensação.Mas isto são histórias passadas. Com Portugal já apurado - a selecção de Scolari derrotou a Turquia no jogo inaugural do grupo, por 2-0, e impôs nova derrota à República Checa, por 3-1 -, o segundo lugar permitirá a passagem aos quartos-de-final e confronto já marcado com a Croácia, primeira classificada do Grupo B, à frente deAlemanha, Áustria e Polónia. Com os dados lançados, o avançado turco que derrotou a Suíça, Arda Turan, não se importa de derrotar os checos nos penáltis. "A nossa missão é terminar o jogo nos 90 minutos. Se não conseguirmos, será um momento diferente e interessante no Europeu", contou, apreensivo com o jogo táctico da selecção de Karel Brückner. "Eles jogam com um grau de disciplina muito alto. Nunca desistem das posições tácticas, mas nós temos jogadores com qualidade técnica que podem desarmar esse estilo, essa disciplina. Se nos concentrarmos e mostrarmos do que somos capazes em campo, vamos ganhar o jogo. O mais importante é a maneira como o fazemos", disse, lembrando o jogo anterior com a Suíça. "Começámos bem o encontro, mas a chuva torrencial tornou tudo mais difícil. Nós somos mais tecnicistas, mas tivemos de jogar mais directo devido ao campo estar muito escorregadio", afirmou. E lembrou o recado do seleccionador Terim: "Ele disse, 'Vocês merecem estar nesta competição. E conseguem alcançar esse objectivo. Acredito em todos vocês".

(Fonte: Público)

República Checa quer vencer a Turquia nos 90 minutos

O seleccionador checo, Karel Bruckner, não quer nem pensar na possibilidade de o encontro de hoje frente à Turquia ser resolvido apenas nos penáltis, mostrando-se esperançado que a sua equipa consiga vencer nos 90 minutos regulamentares e garantir, assim, o apuramento para os quartos-de-final do Europeu. "O desempate por grandes penalidades é um último recurso. Falaremos disso depois. Ainda nem falei disso com os jogadores e espero que não tenhamos necessidade de lá chegar para ganharmos", afirmou o veterano técnico na antevisão do embate deste Domingo. A formação checa abdicou do treino no Stade de Genève, palco do encontro, preferindo continuar o trabalho em Seefeld, pois Karel Bruckner considerou que não seria útil uma nova deslocação a Genebra para treinar no estádio que já conhecem, pois foi ali que se realizou o jogo com Portugal. "Não quis fatigar os jogadores com deslocações inúteis. Amanhã, pela primeira vez nesta competição, vamos jogar às 20:45 [19:45 em Lisboa]. Isso dá-me um pouco mais de tempo, que vou tentar aproveitar o melhor possível, particularmente na preparação táctica", adiantou o seleccionador, que se recusou a revelar se vai fazer mudanças na equipa. "Apenas posso dizer que queremos vencer a Turquia e qualificar-nos. Temos de melhorar, tanto a nível defensivo como ofensivo, em relação aos dois jogos anteriores. Temos de estar melhor do que frente a Portugal, isso é certo", concluiu Bruckner.

(Fonte: Record)

14 junho 2008

Rali da Turquia: Armindo Araújo subiu três lugares

Se ontem havia sido a suspensão a causar problemas a Armindo Araújo, o segundo dia do Rali da Turquia também não foi fácil para o piloto português, embora tenha conseguido subir três lugares, estando já em sétimo do PWRC. Para amanhã a meta é tentar ganhar mais lugares e o tetra-campeão nacional promete não baixar os braços.
O objectivo do piloto da Mitsubishi Motors para hoje era ganhar posições, mas o diferencial dianteiro cedeu a meio da primeira especial, pelo que foi troço e meio feito nestas condições, para além de que na segunda classificativa o Português perdeu tempo no pó de Martin Rauam. "Vinha num ritmo muito bom, mas fiquei apenas com tracção traseira, o que me fez perder algum tempo. Logo a seguir, para nosso azar fiz 12 quilómetros atrás do Rauam que vinha com problemas. Nestas serras e com este pó foram muitos segundos perdidos", disse Armindo Araújo. Da parte da tarde as coisas pareciam correr melhor, mas a falta de sorte voltou a estar com o tetra-campeão nacional. "Era possível estarmos nesta altura a lutar pelo pódio, mas primeiro apanhei o Arai com o carro em chamas e no último troço a sério todo o sistema da caixa de direcção se desapertou, pelo que para as rodas virarem 10 centímetros tinha que dar uma volta completa ao volante. Cerca de 20 quilómetros assim fizeram-nos perder muito tempo", afirmou ainda.
Para amanhã, o piloto Português procura subir na classificação: "O último dia tem um troço de mais de 30 quilómetros feito por duas vezes e vamos atacar para tentar subir pelo menos um lugar. Acho que vai ser possível, e se a sorte não nos virar as costas até pode dar para um pouco mais, pois este campeonato é fértil em surpresas e nunca podemos baixar os braços", concluiu o piloto da Mitsubishi Motors.

Classificação do PWRC após o 2º Dia: 1º Andreas Aigner/Klaus Wicha - Mitsubishi Lancer Evo IX com 4h03m16,8s 2º Patrik Sandell/Emil Axelsson - Peugeot 207 S2000 a 1m19,9s 3º Mirco Baldacci/Giovanni Agnese - Mitsubishi Lancer Evo IX a 4m07,5s ... 7º Armindo Araújo/Miguel Ramalho - Mitsubishi Lancer Evo IX a 6m19,8s

(Fonte: Autoportal)

Rali da Turquia: Bernardo Sousa abandona após acidente com espectador

Um acidente envolvendo um espectador logo no primeiro troço cronometrado do segundo dia do Rali da Turquia, quarta prova do Campeonato do Mundo de Ralis de Produção (P-WRC) acabou por ditar o abandono de Bernardo Sousa. O piloto que ocupava a 11ª posição na geral do Grupo N, ficou bastante transtornado com o incidente e optou pela desistência.
Amanhã o jovem piloto madeirense retomará o seu lugar na partida para o terceiro e último dia da prova.
"Cerca de 200 metros após o início da 'especial' passei por cima de uma pedra que voou e atingiu um espectador. Assim que vi a pessoa a cair, parei imediatamente para ver o que se passava. Foi uma situação muito angustiante para mim, que me deixou verdadeiramente chocado. Depois de falar com a equipa decidi abandonar pois não tinha condições psicológicas para continuar em prova", explica o piloto ainda a recuperar do susto matinal.
O patrão da equipa, Raimundo Baumchslager, foi o primeiro a compreender a reacção do seu piloto e a apoiá-lo. "Foi um azar o que aconteceu ao Bernardo. Ele é um jovem piloto que ainda está a habituar-se a esta grande máquina que é o mundo dos ralis. Nunca lhe tinha acontecido nada de semelhante anteriormente, por isso, a sua reacção é compreensível", refere.

(Fonte: Autoportal)

13 junho 2008

Armindo Araújo e Bernardo Sousa no Rali da Turquia

Depois de ontem na abertura do Rali da Turquia Armindo Araújo ter sido quinto na super-especial, hoje o piloto da Mitsubishi não teve tarefa fácil, voltando a sentir problemas ao nível da suspensão que o levaram a baixar para o 10º posto.
Como se esperava a prova turca tem sido marcada pelo dureza dos pisos e por muito pó. Desde o início da manhã que o piloto do Mitsubishi Lancer Evo IX começou a sentir dificuldades com as suspensões e foi perdendo sucessivamente tempo para os mais rápidos. "Pensámos que os problemas que sentimos na Grécia estavam resolvidos, mas eles voltaram a surgir aqui e isso criou-nos muitas dificuldades. Tentámos resolver nas passagens pela assistência, mas isso acabou por não ser possível, pelo não conseguimos melhor que o 10º lugar para já", explicou Armindo Araújo.
Faltam ainda dois dias de corrida e o tetra-campeão nacional acredita que as coisas vão melhorar. "Estamos a fazer todos os esforços para mais uma vez resolver este problema, para amanhã conseguirmos impor o nosso ritmo e recuperar lugares. Os técnicos das suspensões estão também eles surpreendidos com o que se tem passado e têm trabalhado muito para encontrar soluções para este problema", acrescentou.
Embora não tenha sido um dia ideal, o que é facto é que o cenário é semelhante ao que sucedeu na Grécia e onde o piloto da Mitsubishi Motors acabou por alcançar o pódio. "O nosso objectivo principal agora passa por chegar ao pontos e garantir o máximo possível. Como se viu na Grécia neste campeonato as coisas mudam muito depressa e quero acreditar que podemos voltar a chegar a uma boa posição", concluiu Armindo Araújo.
Quanto a Bernardo Sousa, a prestação do piloto foi igualmente afectada por problemas de suspensão, sobretudo depois de um toque numa pedra. O piloto da Red Bull Team ainda chegou a rodar em nono entre os concorrentes do PWRC mas acabou por cair para 11ª posição.
Na geral, Sébastien Loeb lidera, à frente dos Ford Focus de Henning Solberg e Jari-Matti Latvala, respectivamente segundo e terceiro classificados.

Classificação do PWRC após o 1º Dia: 1º Andreas Aigner/Klaus Wicha - Mitsubishi Lancer Evo IX com 2h09m49,9s 2º Patrik Sandell/Emil Axelsson - Peugeot 207 S2000 a 0,8s 3º Martin Prokop/Jan Tomanek - Mitsubishi Lancer Evo IX a 21,7s ... 10º Armindo Araújo/Miguel Ramalho - Mitsubishi Lancer Evo IX a 3m23,0s

(Fonte: Autoportal)

Mulher turca pode vir a ser acusada de "insulto" a Atatürk


Um promotor na Turquia abriu uma investigação criminal contra uma mulher que disse num programa de televisão que não gosta de Mustafa Kemal Atatürk, o fundador da Turquia moderna.
Nuray Bezirgan, muçulmana fervorosa que usa véu, provocou polémica na Turquia ao dizer que Atatürk é responsável pela opressão de que sofre.
"Se as pessoas me oprimimem em nome de Atatürk, então não pode esperar que eu goste dele", disse.
Nuray reclamou que os muçulmanos não têm direito de exercer a sua religião na Turquia e disse ser admiradora do Aiatolá Khomeini, que fundou a República Islâmica do Irão.
O promotor vai decidir se vai entrar com um processo contra a mulher pelo "insulto" a Atatürk. Nesse caso, ela poderá ter de cumprir até quatro anos de prisão.
Nuray Bezirgan disse na televisão não ter conseguido completar os estudos porque o uso do véu islâmico não é permitido nas universidades e instituições públicas.
Este é um assunto sensível na Turquia, num momento em que o partido AKP (no Governo) é acusado de tentar acabar com o sistema secular fundado por Atatürk, tendo apresentado como uma das suas propostas o fim da proibição do uso do véu islâmico nas universidades.
Mustafa Kemal Atatürk governou a Turquia entre 1923 e 1938 e é responsável por reformas que aboliram o sultanato no país e deram início ao Estado secular. O legado de Atatürk - como a abolição da poligamia e a substituição do direito islâmico por leis civis ocidentais - é fortemente protegido por legislações no país.

(Fonte: BBC)

12 junho 2008

Hamit Altıntop: "Merecemos a vitória"

O médio turco Hamit Altıntop ficou satisfeito com o triunfo da sua selecção frente à anfitriã Suíça, por 2-1. Para o craque, houve justiça no resultado. "Penso que merecemos esta vitória. Ficamos em boa posição para garantir a qualificação", iniciou, antes de abordar o que aconteceu ao longo dos 90 minutos: "Os Suíços estavam sob uma grande pressão, apesar de terem inaugurado o marcador, o que acabou por dificultar o trabalho deles. E nós aproveitámos..."

(Fonte: Infordesporto)

Fatih Terim: “Esta vitória deu-nos confiança para o próximo jogo”

Fatih Terim, seleccionador da Turquia, considerou no final da partida com a Suíça, que esta vitória trouxe "confiança para o próximo jogo", - o decisivo encontro com a República Checa, no Domingo. "Para nós o Euro começou hoje. Não foi fácil porque a Suíça tem uma equipa muito forte e jogava em casa. Para ser franco, pensei que a chuva que caiu na primeira parte seria uma vantagem para nós, mas não nos adaptámos. Rezei para que a chuva parasse", sintetizou Fatih Terim.
(Fonte: Infordesporto)

Vitória turca ajuda Portugal


A selecção turca ganhou ontem à noite à Suíça, na Basileia, por 2-1. Uma vitória conquistada mesmo à beira do apito final, que garante a qualificação antecipada de Portugal para os "quartos" e em primeiro do Grupo A.
Hakan Yakın, filho de emigrantes turcos, abriu o activo para os helvéticos, que perseguiam o primeiro triunfo em três europeus, mas no segundo tempo Semih Şentürk (57) empatou e, quando poucos esperavam, Arda Turan (92) confirmou a reviravolta, deixando a Suíça em estado de choque.
Na primeira fase da partida, as equipas pareciam mais receosas em ficar em desvantagem do que determinadas a marcar, penalizando a qualidade do desafio.
Depois de três remates perigosos suíços, os Turcos iam marcando na primeira e única oportunidade: o livre na linha final foi desviado por Benaglio para a cabeça de Arda Turan que, involuntariamente, atirou ao poste esquerdo.
A chuva intensa já dificultava a acção das equipas, mas foi assim que os Suíços, melhor adaptados, se adiantaram: Derdiyok cruzou na direita, a bola "travou" na pequena área e Hakan Yakin empurrou-a para o fundo da baliza, fazendo o 1-0.
Dois minutos depois, em lance idêntico, fez o mais difícil e errou o alvo, com a baliza deserta.
As alterações produzidas pela Turquia ao intervalo surtiram efeito, pois, após cruzamento na esquerda de Nihat Kahveci, Semih Şentürk empatou de cabeça, ficando a sensação que Benaglio, que ainda tocou na bola, podia ter feito algo mais.
Na melhor oportunidade para resolver, a Suíça, num contra-ataque de três contra, finalizou com remate de Hakan Yakin que Volkan defendeu, segurando também a recarga à queima-roupa de outro contrário.
Quanto o empate parecia definitivo, em contra-ataque Arda Turan (92) evitou dois adversários e flectiu para o centro, com o remate a tabelar num deles e a fazer um "chapéu" a Benaglio (1-2).
Com Portugal e Suíça com a situação definida - serão primeiros e últimos, respectivamente - Turquia e República Checa vão discutir o segundo lugar, partindo para o desafio com os mesmos três pontos e igual diferença de golos negativa 2-3.

(Fonte: Sic)

Turquia venceu a Suiça


Terão sido apenas noventa e poucos minutos, como o marcador electrónico do St. Jakob-Park indica neste momento? O resultado está certo, redundou num triunfo turco em cima da linha da meta, mas há muito mais por detrás deste Suíça-Turquia, uma espécie de guerra civil concentrada num rectângulo de jogo. Para já, a esperança de uns e o ar desolador de outros: um dos organizadores despede-se à segunda jornada, antes de defrontar Portugal.
Reeditava-se o duelo ardente de 2005, quando o «play-off» para o Mundial do ano seguinte, que terminou com uma verdadeira batalha campal em Istambul. Alguns jogadores suíços guardam as marcas desse confronto, mesmo cicatrizes, procurando suster o ímpeto num duelo vital para as duas equipas.
A Suíça adaptou-se melhor à verdadeira mudança de estações durante a primeira parte. Bom tempo, depois chuva, depois ainda mais chuva. No meio desse dilúvio, os helvéticos serviram-se do sangue turco de Inler, Derdiyok e Yakın para silenciar cerca de 10 mil almas.
À passagem da primeira meia-hora de jogo, após um par de defesas de Volkan e um cabeceamento involuntário de Arda ao poste da baliza suíça, a equipa de Kobi Kuhn agitou o caldeirão de Basileira. Lançamento longo de Senderos, Derdiyok passa por Volkan e aquela poça de água, capaz de travar a marcha da bola, não susteve o toque fatal de Yakın. Mal refeito, o avançado desperdiçou o segundo golo logo depois, de novo a um metro da baliza. Desta feita, esta pareceu pequena demais. A Turquia acusava as debilidades no eixo defensivo. Perdera Gökhan Zan no jogo frente a Portugal, apresentando ainda Çetin com evidentes limitações. Do outro lado, Muller também denotava falta de condições físicas para travar investidas continuadas. Depois de Frei, Kobi Kuhn perdera também o segundo homem da frente, Marco Steller.
Fatih Terim olhou para a sua equipa, já completamente remodelada em relação ao jogo com Portugal, e pensou o que poderia fazer para salvar a pele. Até as mães dos jogadores vinham para a praça pública lançar críticas ao seleccionador, mas este recorreu, uma vez mais, a uma inesgotável dose de confiança. E fé, talvez. Lançou Semih Şenturk ao intervalo e este anulou a desvantagem pouco depois. Benaglio poderia ter feito mais.
A esta altura, Portugal garantia o primeiro lugar do Grupo A, Suíça e Turquia seguiam para a última jornada com esperanças. Impulsionada por 20 mil pessoas determinadas a obter um triunfo sobre a mais recente e contestada vaga de emigrantes no país, a selecção helvética foi carregando, carregando, já sem pensar na contenção defensiva. E assim, num tremendo golpe de teatro, o jovem Arda Turan, maior promessa do futebol turco, lançou-se numa fuga para a glória. Ao minuto 92 da segunda jornada, o co-organizador do Euro2008 despediu-se da competição.

(Fonte: Mais Fuebol)

11 junho 2008

Armindo Araújo no Rali da Turquia


Apenas duas semanas depois do pódio alcançado no Rali da Acrópole, a dupla Armindo Araújo/Miguel Ramalho vai estar presente em mais uma ronda do Campeonato do Mundo de Produção, o Rali da Turquia. Se a prova grega é considerada a mais dura do campeonato, a jornada turca não lhe fica atrás, pelo que os homens da Mitsubishi não terão tarefa fácil, embora como se viu na Acrópole Armindo Araújo esteja em condições de discutir os melhores lugares, podendo mesmo pensar em ganhar.
Se a ronda helénica era já conhecida para o Tetra-Campeão Nacional, na Turquia tudo será novo, mas nem por isso a ambição diminui, antes pelo contrário, pois são poucos os pilotos com experiência neste evento. A estratégia traçada por Armindo Araújo é "muito semelhante à que utilizámos na Grécia. Neste momento estamos numa boa posição no campeonato, pois somos dos pilotos da frente dos poucos que apenas fizemos duas provas, o que nos pode dar alguma vantagem. Este é também um rali muito duro, em que será preciso ter cabeça. Vamos andar rápido, mas sem entrar em exageros, pois esses podem-se pagar muito caro. Se estivermos em posição de ganhar não a vamos desperdiçar, mas não podemos entrar em loucuras para o conseguir, uma vez que a dureza dos troços pode provocar amargos de boca. O facto de ser uma prova nova para quase todos é também bom para nós, uma vez que estaremos em igualdade de circunstâncias com os nossos rivais, algo que nem sempre acontece nas restantes provas", refere Armindo Araújo.
Na Grécia o piloto português estreou umas novas suspensões no Mitsubishi Lancer Evo IX que lhe agradaram, mas que "ainda podem melhorar. Esta foi a primeira prova com estas novas suspensões, que me deixaram satisfeito, mas sinto que ainda é possível tirar melhor partido delas. Claro que para isso são precisos mais quilómetros e infelizmente não vai ser possível testar antes da Turquia, pelo que as afinações apenas poderão ser ensaiadas no 'shakedown'. De qualquer forma o Lancer Evo IX tem estado invariavelmente bem preparado, pelo que estou optimista para esta estreia na Turquia", conclui Armindo Araújo.
O regresso da Turquia ao Campeonato do Mundo de Ralis, faz-se com uma prova composta por 19 especiais, com 360,12 quilómetros cronometrados, e que arranca na tarde de dia 12 de Junho, quinta-feira, em Antália com uma super-especial, terminando no Domingo à hora de almoço em Kemer.

(Fonte: Autoportal)

Fatih Terim: "Para nós, o Euro 2008 começa agora"


O Campeonato Europeu de futebol ainda agora vai no adro e já dois dos quatro seleccionadores incluídos no Grupo A passam metade da conferência de imprensa a contornar a palavra “adeus”. Jakob Kuhn, seleccionador anfitrião, sentirá um peso maior sobre as costas, mas Fatih Terim sofre do mesmo mal. Sem qualquer ponto conquistado no primeiro jogo, Suíça e Turquia defrontam-se hoje em Basileia num jogo do tudo ou nada. E nada significa adeus. "Nunca se considera a hipótese derrota", começou por dizer Kuhn, visivelmente agastado com uma série interminável de azares: começou com o internamento da esposa, prolongou-se com a lesão grave de Frei e o pior é que pode não terminado com a derrota frente à República Checa no jogo de abertura da prova. Para os Suíços, o Euro assemelha-se a um enorme pesadelo. Kuhn acabaria por voltar ao assunto para dizer que “derrota” significaria um jogo contra Portugal simplesmente para cumprir calendário. “E nada mais.” Abatido, apelou ao “espírito de equipa” e falou de Frei, a mais recente bandeira do país. “É importante mesmo sem poder jogar. Será um grande apoio e regressará, já prometeu”, disse. Não foi a única vez que falou do futuro. “Tenho uma equipa nova, com futuro. E isso também é óbvio.” Fatih Terim também se queixou da sorte. A começar pela série de lesões que têm parasitado no seu plantel. Da parte da manhã, Emre Belözoğlu, que na véspera sentira uma dor na coxa esquerda, passou pelo hospital de Basileia para fazer exames, que detectaram um “edema de cerca de três centímetros”. “É o Frei na Suíça e o Emre na nossa equipa. Não vai jogar amanhã [hoje] e não sabemos se poderá jogar no último jogo [com a República Checa]”, lamentou o Turco, que aproveitou para desejar as melhoras à esposa de Jakob Kuhn (“nada é mais importante do que a saúde das pessoas de quem gostamos”).
Tuncay, um dos jogadores que sobreviveu a uma série de trocas na equipa que perdeu com Portugal, saiu em defesa do grupo. “Não conseguimos fazer tudo o que queremos porque isto é futebol. Não tem a ver com a pressão”, defendeu o jogador do Middlesbrough, confiante na qualificação. Fatih também. “Acredito”, disse. “A Turquia tem perdido no passado o seu primeiro jogo, mas tem seguido em frente na prova, por isso não há razões para pensar que não o poderemos repetir”, sublinhou o técnico, abrindo boas perspectivas para o encontro com a Suíça. Para quem ainda tiver dúvidas sobre o impacto da derrota no primeiro encontro, Terim repete: “O jogo com Portugal não foi a chave da qualificação. Cometemos erros, jogámos contra uma equipa que os soube explorar, mas não é esse encontro que decide se seguimos em frente ou não. Podemos ganhar ou perder, mas estamos aqui. O facto de a Suíça também ter perdido torna o jogo ainda mais interessante. Para nós, o Euro 2008 começa agora”. Trata-se da “última hipótese”, concluiu Terim. Para a Suíça também.

(Fonte: Público)

Suiça - Turquia: Incidentes no último frente-a-frente não foram esquecidos

"Antes de fazerem a pergunta, digam por favor o nome e o respectivo meio de comunicação." O anúncio não é novo, mas ganha um elemento novo cada vez que uma questão é dirigida a Fatih Terim por um jornalista turco. Como prefixo de cada pergunta, surge - como uma espécie de regra patriótica - o desejo de sucesso para o jogo. Curioso é o facto de muitas das perguntas que se seguem serem corrosivas e de algumas delas morrerem mesmo à nascença, censuradas pelo assessor que se sentou do lado direito do seleccionador turco. Apesar do ambiente pesaroso com que se arrastaram as duas conferências de imprensa, os muitos jornalistas presentes no Estádio St. Jakob, em Basileia, puderam assistir a um outro momento hilariante. Depois de muitos dedos apontados e de todos os ângulos negativistas explorados, alguém confrontou o seleccionador turco com críticas colocadas pelas próprias mães dos jogadores, descontentes com a exibição da equipa no jogo de estreia. Terim procurou manter-se sério e Tuncay baixou a cabeça, enquanto a tradutora de Turco-Inglês (a UEFA coloca à disposição dos jornalistas auriculares com a tradução simultânea em várias línguas) tentava em vão manter uma postura diplomática. A pergunta não foi censurada. E, a custo, Terim respondeu. "As mães dos jogadores... Respeitamos sempre as mães dos jogadores e todas as mães..." O lado sério da conversa estava estampado na primeira página do "briefing" distribuído pela UEFA junto dos jornalistas: Este será o primeiro jogo entre as duas equipas depois dos graves incidentes que ambas protagonizaram em 2005, no encontro de apuramento para o Mundial de 2006. Na primeira mão, a Suíça venceu por 2-0 em Berna. Na segunda, disputada em Istambul, venceu a equipa da casa (4-2), que acabaria afastada pela regra dos golos fora. "A questão tem quase três anos. Esse assunto está resolvido", resumiu Kuhn, referindo-se às cenas de agressões que se seguiram ao segundo encontro. No rescaldo, recorde-se, a Turquia foi condenada a disputar três encontros em campo neutro e à porta fechada. Mais: Alpay Özalan (Turquia) acabou por ser suspenso por seis jogos, Huggel (Suíça) e Belözoğlu (Turquia) por quatro e Balci (Turquia) por dois.

(Fonte: Público)

10 junho 2008

Turquia-Suiça de 2005 acabou em batalha campal

As autoridades policiais suíças estão a preparar uma forte operação visando o Suíça-Turquia do próximo dia 11, referente à 2.ª jornada do Grupo A do Euro 2008. Em causa está um encontro entre as duas formações aquando da fase de qualificação para o Mundial 2006, em Novembro de 2005, que acabou muito mal.
Há três anos, as duas equipas encontraram-se em Istambul e o encontro terminou numa verdadeira batalha campal, com agressões no relvado, perseguições rumo aos balneários e uma série de problemas que envergonharam o mundo do futebol. Por esse motivo, as autoridades estão preocupadas com o que se pode passar nas bancadas e encetaram uma operação de grande dimensão.
No encontro em causa, a contar para o playoff de acesso ao Mundial, a Turquia venceu por 4-2, mas a vaga ficou nas mãos dos helvéticos, que tinham ganho na 1.ª mão por 2-0. Como a coisa correu mal aos Turcos, estes iniciaram, a poucos minutos do apito final, uma verdadeira caça ao homem (ou caça ao Suíço), que redundou em cenas de pancadaria entre jogadores, dirigentes e árbitros, que começou na relva e acabou nos balneários.
A FIFA encetou nessa altura a maior investigação disciplinar de sempre, algo que originou multas para ambas as formações. "Iniciámos um inquérito em Zurique que envolverá entrevistas com mais de 20 pessoas, incluindo os dois técnicos, jogadores, dirigentes e departamento técnico de ambos os países. Em termos de extensão é a mais ampla investigação disciplinar na história da FIFA", disse um porta-voz do organismo máximo do futebol mundial na ocasião. O jogador suíço Stephane Grichting foi mesmo conduzido ao hospital, enquanto o adjunto turco Mehmet Özdilek pediu demissão do cargo por ter sido apanhado pelas câmaras de televisão a agredir vários elementos do staff suíço.

(Fonte: Record)

O que se diz sobre a Turquia

Ler aqui.

09 junho 2008

As mães dos jogadores apoiam a selecção turca

Turquia elogia Portugal

A exibição de Portugal no jogo de estreia do Euro 2008 não deixou dúvidas aos Turcos: a selecção das Quinas é uma das mais fortes deste Campeonato da Europa.
Fatih Terim sublinhou ter ficado desapontado com a derrota, apontando o erro cometido no lance do golo de Pepe como decisivo para o desfecho do resultado. "É um resultado desolador, principalmente pelo que se viu na primeira parte, onde Portugal sentiu algumas dificuldades. No segundo tempo, sofremos um golo numa desatenção dos nossos defesas-centrais. Foi o momento-chave da partida. Não podemos cometer erros destes contra selecções como Portugal", referiu o seleccionador da Turquia, vincando de seguida: "Portugal é uma das selecções mais fortes da Europa e Sábado tivemos essa confirmação".
Já o avançado Nihat felicitou Portugal pela vitória, considerando também "o golo de Pepe decisivo". Segundo o jogador do Villarreal, "o jogo foi equilibrado até aos 15 minutos da segunda parte", altura em que surgiu o primeiro golo de Portugal, mas não tem dúvidas quanto ao valor da Selecção Nacional. "Tem uma equipa muito forte e é favorita a ganhar o Europeu", previu o internacional turco. Nihat afirmou ainda que os próximos dois jogos "terão de ser encarados como finais".

(Fonte: O Jogo)

Um central fora e outro em dúvida para o jogo com a Suiça

A Turquia está com sérios problemas na defesa, pois Gökhan Zan já está definitivamente fora do jogo com a Suíça e o outro central que defrontou Portugal este Sábado, Servet Cetin, está em dúvida para a segunda jornada do Grupo A.
Gökhan lesionou-se nos ligamentos do joelho esquerdo no jogo com a Selecção Nacional e uma reavaliação já feita este Domingo levou os médicos da Turquia a já só pensarem em recuperar o defesa para o jogo com a República Checa, de acordo com um porta-voz referido pela agência Reuters.
O outro central turco que defrontou Portugal também tem uma lesão semelhante, mas Servet ainda pode recuperar da lesão para o jogo de quarta-feira, além de também ter partido um dente na inauguração do Euro 2008.

(Fonte: Mais Futebol)

08 junho 2008

Portugal venceu a Turquia


Portugal venceu, este Sábado, a Turquia por duas bolas a zero no Estádio de Genebra, num jogo da primeira jornada do Grupo A do Euro 2008 de futebol, que decorre na Áustria e na Suíça.
O encontro começou nervoso, com muitos passes falhados e precipitações de ambos os lados, mas, com Deco muito bem a pautar o jogo, Portugal assentou primeiro e criou as primeiras situações de algum perigo, com dois remates de Cristiano Ronaldo.
Apesar de alguma falta de sorte, depois de Cristiano Ronaldo e Nuno Gomes terem atirado a bola aos postes e de o "central" do Real Madrid ter visto anulado um golo por fora-de-jogo, a equipa das “quinas” acabou por mostrar-se mais forte.
Aos 61 minutos, Pepe, eleito o melhor em campo, tabelou com Nuno Gomes e ficou isolado, conseguindo colocar a bola na baliza pela segunda vez, depois do fora-de-jogo.
Na parte final, Scolari fez entrar Raul Meireles e Fernando Meira e a equipa lusa recuou um pouco, mas após um grande susto, num remate turco falhado, Raul Meireles sentenciou, após excelente trabalho de Moutinho, num contra-ataque iniciado por Ronaldo.
Portugal conseguiu assim o primeiro lugar do agrupamento, em igualdade pontual com a República Checa, o adversário de quarta-feira, de novo em Genebra.


No estádio de Genebra, na Suíça, perante 29.106 espectadores (lotação esgotada), as equipas alinharam da seguinte maneira:


Portugal: Ricardo, Bosingwa, Ricardo Carvalho, Pepe, Paulo Ferreira, Petit, João Moutinho, Deco (Fernando Meira, 92), Cristiano Ronaldo, Simão (Raul Meireles, 83) e Nuno Gomes (Nani, 69).


Suplentes: Rui Patrício, Miguel, Bruno Alves, Fernando Meira, Jorge Ribeiro, Miguel Veloso, Raul Meireles, Ricardo Quaresma, Nani, Hugo Almeida e Hélder Postiga).


Turquia: Volkan Demirel, Hamit Altıntop (Semih Sentürk, 76), Gökhan Zan (Emre Aşık, 55), Servet Çetin, Hakan Kadir Balta, Mehmet Aurélio, Emre Belözoğlu, Kazım Kazım, Tuncay Şanlı, Mevlüt Erdinç (Sabri Sarıoğlu, 46) e Nihat Kahveci.

Suplentes: Rüstü Recber, Tolga Zengin, Sabri Sarioglu, Emre Asik, Ugur Boral, Emre Güngör, Ayhan Akman, Tümer Metin, Arda Turan, Mehmet Topal, Gökdeniz Karadeniz e Semih Sentürk).

Acção disciplinar: Cartão amarelo para Kazım Kazım (04), Gökhan Zan (51) e Sabri Sarıoğlu (73).

(Fonte: TSF)

07 junho 2008

Seleccionador Fathi Terim apostou numa táctica híbrida

O primeiro adversário de Portugal no Euro tem duas caras: uma capaz de jogar um futebol versátil, rápido e dinâmico e outra que parece tolhida pela insegurança, principalmente na defesa, e pela falta de confiança. Logo à noite se descobrirá que Turquia subirá ao Estádio de Genève, onde deverá ter o apoio de muitos dos 80 mil que formam a sua comunidade emigrante na Suíça.
A dupla personalidade revelou-se na qualificação, em que até nem começou mal, mas acabou em dificuldade para se impor à Noruega e garantir o segundo lugar do grupo, atrás da Grécia.
A Turquia é dirigida por Fatih Terim, treinador conhecido por "Imperador" devido aos dotes de liderança. Foi quatro anos técnico do Galatasaray e passou pela Fiorentina e pelo AC Milan (foi ele que exigiu a contratação de Rui Costa). Dá grande importância à valência física e o seu braço-direito é o norte-americano de nascença Scott Piri, que foi o preparador físico da Alemanha no Mundial de 2006 e que, tal como o nutricionista, Megan Margano, foi contratado pela Internet.
Esta selecção, com 22 seguidores do islamismo (só o brasileiro naturalizado Mehmet Aurélio é católico), foi sujeita a renovação e Terim surpreendeu ao deixar de fora o veterano (36 anos) avançado Hakan Şükür (melhor marcador turco de sempre) e o médio-ofensivo do Estugarda Baştürk. Terim explicou ir apostar numa táctica em que Şükür não seria titular e que, por isso, ficaria afectado. O tal esquema é um pouco híbrido, porque as pedras tão depressa se distribuem num 4x3x3 (Tuncay e Mavlut sobem nas faixas) como num 4x1x3x2 (Mavlut junta-se ao miolo e Tuncay aproxima-se de Nihat), como no último teste com a Finlândia. "Parece que jogamos com dois avançados, mas atacamos com mais de cinco", diz o craque Nihat.
A provar as debilidades defensivas aí estão os quatro golos sofridos, na fase de qualificação, na sequência de lançamentos laterais. O guarda-redes Volkan é irregular e pouco fiável, mas brilhou na Liga dos Campeões pelo Fenerbahçe. O suplente é o veterano (35 anos) Rüştü, longe dos tempos em que foi eleito o melhor do Mundial de 2002, quando a Turquia conseguiu um surpreendente terceiro lugar. Os centrais são lentos e inseguros. Servet Çetin é o menos mau, mas o gigante (1,94) Gökhan peca ainda por ser desordenado tacticamente. O lateral-direito Sabri é um médio adaptado e beneficiou da lesão do titular Gökhan Gönül, que falha o Europeu. No lado contrário jogará Hakan Balta, nascido na Alemanha e uma das melhores pedras da equipa.
O miolo é o melhor sector da Turquia, rápido e forte nos passes de rotura. Mehmet Aurélio é um médio-defensivo inteligente (Topal é uma boa alternativa, apesar de jovem), sendo uma das traves-mestras da equipa, juntamente com o canhoto Emre, que em 2002 deu nas vistas no Mundial com o seu futebol ofensivo. Desde que ajudou o Galatasaray a ganhar a Taça UEFA, passaram a chamar-lhe "Maradona do Bósforo", um exagero. Acaba de ser transferido do Newcastle para o Fenerbahçe por 3,5 milhões de euros, sendo acusado de traição pelos 25 milhões de adeptos do seu antigo clube, o Galatasaray. Hamit Altıntop recuperou da fractura num dedo a tempo de oferecer o seu futebol fiável no lado direito, podendo recuar para lateral. Nasceu na Alemanha e tem um forte remate de meia-distância.
Nihat é, aos 28 anos, a grande figura da equipa. Brilhou na Real Sociedad e este ano foi essencial no surpreendente segundo lugar do Villarreal na liga espanhola, onde apontou 18 golos (mais quatro na Taça UEFA). É um avançado completo (pode também jogar nas alas), rápido e explosivo. Tuncay recuperou de uma lesão recente, joga no Middlesbrough e é muito versátil. Chamam-lhe "guerreiro", mas tem técnica. Mevlut joga em França (Sochaux) e é rápido. A alternativa principal é Arda Turan, muito móvel e um dos jovens (21 anos) da equipa.

(Fonte: Público)

Nihat apela à modernidade nos treinos

Nihat, craque da Selecção turca, fez um apelo aos dirigentes e técnicos do seu país: usem a tecnologia no treino. “Ao mais alto nível, os jogos decidem-se cada vez mais nos detalhes. É preciso ter consciência disso. Na Turquia ainda não temos a cultura da perfeição”, disse. “A nossa selecção assenta o seu trabalho no entusiasmo e na capacidade física, negligenciando outros factores. Pela primeira vez estamos a utilizar vídeos para ver os adversários neste Europeu, as outras equipas já o fazem há anos”, prossegue um admirado Nihat Kahveci. “Percebemos, ao ver os vídeos de Portugal, que devemos jogar pelo chão e não por alto com eles” , diz, algo surpreendentemente, o avançado do Villarreal. Por tudo isto, o jogador conclui que Portugal está em vantagem no confronto de hoje. “Eles estiveram nas duas últimas grandes competições e nós não. Dessa forma, deixámos de evoluir o que devíamos ter evoluído.” Fatih Terim está de acordo com o seu atleta: “Temos de progredir de maneira drástica no que diz respeito à construção de jogo. A este nível, o futebol já não é um jogo de recreio da escola, há regras a respeitar, há que jogar coma cabeça e não só com os pés.”

(Fonte: Record)

Neca: "Portugal ao melhor nível tem 75% de hipóteses de vencer"


Na Turquia há sensivelmente uma época e meia, Neca, actualmente jogador do Ankaraspor, considera, apesar de reconhecer que o adversário tem potencial, que Portugal encontrará um opositor com alguns "pontos fracos". "É um facto que a selecção da Turquia tem uma defesa bem constituída, mas também é verdade que possui defesas lentos. Portugal, se praticar um futebol rápido, poderá explorar este aspecto. Se a selecção nacional se apresentar em pleno, ao seu melhor nível, tem 75% de hipóteses de vencer o jogo", defendeu. Embora tenha deixado claro que Portugal é, em seu entender, superior à Turquia, Neca teceu rasgados elogios a três futebolistas da selecção treinada por Fatih Terim. "Nihat, avançado do Villarreal, de Espanha, é um jogador experiente e muito perigoso. E no meio-campo tem dois elementos muito influentes: Emre e Mehmet Aurélio, um brasileiro naturalizado turco que realizou, na temporada que recentemente findou, uma grande época ao serviço do Fenerbahçe", contou o médio. Internacional pela principal selecção de Portugal em duas ocasiões (Tunísia e Escócia), Neca iniciou a carreira no Belenenses, onde permaneceu durante 16 anos. Em Portugal já representou, igualmente, o Vitória de Guimarães e também o Marítimo.

(Fonte: DN)

06 junho 2008

Fatih Terim admira Scolari e Nuno Gomes mas não está assustado


Portugal defronta a Turquia este Sábado, em Genebra, no arranque do Campeonato da Europa. As estatísticas são favoráveis à Selecção Nacional, mas Fatih Terim não está intimidado. O seleccionador turco irá reencontrar Nuno Gomes e elogia o camisola 21 e Scolari.
"Tenho estima e admiração por Scolari e desejo-lhe muita sorte. O Nuno Gomes é um grande jogador e um grande homem. Foi muito importante na equipa que construímos em Florença. Ainda não o encontrei, mas espero vê-lo amanhã antes do jogo", afirmou.
Sobre a vantagem de Portugal na história dos confrontos entre os dois países, Fatih Terim desvalorizou: "Vamos jogar contra uma das melhores equipas da Europa, que tem jogadores de grande nível e um técnico campeão do Mundo. Mas, estamos física e psicologicamente preparados. Não estamos assustados."
Hakan Balta, defesa-esquerdo da Turquia, deverá ser o marcador directo de Cristiano Ronaldo. "Ronaldo foi o melhor jogador deste ano, embora eu seja um admirador de Kaká. Qualquer que seja o jogador que entrar em duelo com ele não dá para o controlar. Estamos prevenidos e levamo-lo muito a sério", analisou o seleccionador turco.
Rustu, guarda-redes turco que será suplente frente a Portugal, também se mostrou optimista na antevisão do jogo deste sábado: "Nos últimos jogos temos perdido sempre com os Portugueses, mas isso nada quer dizer. Podemos ganhar agora. Esta equipa tem invertido uma série de situações que antes nos eram desfavoráveis."

(Fonte: Mais Futebol)

Altıntop acredita que vai defrontar Portugal


O Turco Hamit Altıntop acredita que vai defrontar Portugal no primeiro jogo de ambas as equipas no Europeu, apesar de ter viajado para a Suíça lesionado. O médio do Bayern Munique está com problemas num adutor, lesão que contraiu no estágio dos Turcos em Marienfeld, na Alemanha.
No entanto, ao site do clube, Altıntop referiu que está optimista. «Não é nada de grave, vou estar apto no Sábado», disse, remetendo para 7 de Junho, dia em que Turquia e Portugal medem forças em Genebra.
Refira-se que Altıntop regressou à selecção no particular com o Uruguai, há uma semana, que os sul-americanos venceram por 3-2. O médio voltou depois de dois meses de ausência, por ter fracturado um dedo do pé.

(Fonte: Mais Futebol)

Tribunal Constitucional anula lei que autorizava véu islâmico nas universidades

Primeiro-ministro turco e família

O Tribunal Constitucional da Turquia anulou uma lei do Governo que punha fim à proibição do uso do véu islâmico nas universidades do país, uma norma emblemática do laicismo do Estado turco. A decisão poderá agravar a crise política no país, numa altura em que corre uma acção pedindo a ilegalização do partido no poder por actividades anti-laicas. Os 11 juízes da mais alta instância judicial do país – e um dos bastiões do laicismo republicano – foram chamados a pronunciar-se em resposta a um recurso da oposição, que contestava a legalidade de uma alteração à Constituição adoptada em Fevereiro pela maioria parlamentar, autorizando as mulheres a entrar nas universidades com o véu islâmico. Em comunicado, os juízes sustentam que o diploma do Governo viola as disposições constitucionais referentes ao carácter laico da República, as quais, argumentam, não são passíveis de emendas legislativas. Este veredicto constitui o pior cenário para o Partido Justiça e Desenvolvimento (AKP), do primeiro-ministro, Recep Tayyip Erdoğan, que em Fevereiro apresentou esta emenda como um sinal da democratização das instituições turcas. Ao anular a emenda, o tribunal dá um sinal de que poderá, no próximo mês, dar seguimento a um processo autónomo em que a procuradoria-geral turca pede a ilegalização do AKP, no poder desde 2002, por actividades contrárias à laicidade. O recurso pede também que os 71 islamitas eleitos, incluindo o primeiro-ministro, sejam banidos da actividade política pelo período de cinco anos.

(Fonte: Público)